Quem escreve este Blog

Aumentar Letra Diminuir Letra

Este blog começou com o Tandello, não só iniciou, mas por um bom tempo foi o único autor de conteúdo. Muitos outros blogs surgiram no mesmo tema, mas o KBB destacou-se por seu material único, cresceu, ganhou seguidores, e dentre os que liam assiduamente os textos, alguns aceitaram o convite para passar ao outro lado e agora formar a família KBB. Apesar do nome, o blog é sobre literatura digital, não só sobre tecnologia ou kindle, mas todos leitores digitais e literatura, o conteúdo sem o qual nem o livro de papel existiria. Dos que agora integram o “roll” de colaboradores, temos pessoas diversas, com gostos diversos, muitas vezes irreconciliáveis, mas saudáveis para qualquer pluralidade; se existe um ponto em comum é a crença de que a leitura digital, junto com os e-readers, são veículo poderoso para mudar toda a lógica editorial e popularizar a leitura em Terra Brasilis. Aqui todos são apaixonados por livros em seus vários sabores, estão dispostos a compartilhar suas paixões com os leitores, mas para isto é necessário que saibamos um pouco do perfil de leitor de cada colaborador. Pela diversidade aqui encontrada, nada é unânime e as resenhas e críticas vão refletir o gosto do autor, não uma opinião geral.


Acreditamos que a diversidade é um ponto positivo, e o debate entre diferentes correntes é sempre frutífero quando embasado em bons argumentos, portanto, aqui vai o perfil de leitor escrito de punho por cada um dos colaboradores, veja com qual seus gostos se afinam para ter uma indicação certeira em seu cardápio de leituras:





Edson Tandello Cruz Nascido em Santo André - SP há 44 anos.
Técnico em Eletrônica;  Engenheiro Elétrico com ênfase em Eletrônica e especialidade Computadores  e Advogado - inscrito na OAB/SP - Recentemente pós graduado (MBA) pela FGV. Casado, pai de dois filhos, morou na Espanha por 10 meses. Atua em um multinacional Alemã na área de operações. Tem como principal hobby, a paixão pelos gadgets : tem iPods, iPhones, iPad, MacBook, Apple TV, etc... 
Adora ler e, apesar do Kindle e do iPad terem reduzido o tamanho, ainda tem uma pilha de livros na sua mesa e em seu criado-mudo. 
Tem como sonho passar da leitura para a escrita e começar a publicar seus textos. 
Por enquanto, o que mais escreve é para o Kindle Blog Brasil e para o BlogIpad. 

Edson Gonçalves - Lerei. sempre lerei. em que formato for - lerei. 
Comecei por Vinicius: eu ainda garoto ele já lobo mal e maldito poeta. Amado: o jorge - no colégio; Ferreira gullar, Nerura, Guimarães, o rosa, o bruxo do cosme velho - sempre; quando já tava mais taludinho conheci faulkner,  joyce, reconheci Neruda; fui levado ao vampiro de Curitiba, voltei ao Salinger (sempre), Garcia Marques, Mia couto,  Saramago e alguns marginais outros, que não conto pois a lista é grande. Parei em Borges, aquele argentino sem juízo que me é companheiro de cabeceira ha 20 anos. 
Adoro contos: adoro contos, ou como resumiu Borges: não faz sentido gastar folhas e folhas para o que pode ser dito em um bilhete.


Alê - Acredito ser mais honesto com quem lê minha crítica definindo-me como leitor, uma vez que meus gostos influenciarão minha avaliação.

Comecei minha vida de leituras com aventura, mais especificamente: Jules Verne, deliciei-me na profundeza dos oceanos, viajando à lua e no interior da crosta terrestre; foram livros de escola, mas de minha escolha, na didática que existia na escola pública. Portanto o gênero que mais aprecio, ainda hoje, é aventura, uma boa estória, inteligente e bem pensada; nestes livros espero que a linguagem seja apenas correta, e isto nada tem em comum com correição gramatical, é a maneira do texto. Antigamente recomendava qualquer livro, pois achava que por pior que fosse, no mínimo tem-se o ganho da língua, hoje infelizmente já não é assim, e não é na gramática que está o pecado, mas na extrema pobreza e inabilidade com a linguagem.

Quando garoto lembro de divertir-me muito com livros de colégio como: “O mistério do botão negro”, “O mistério da casa amarela”, “Um cadáver ouve rádio”, “O gênio do crime”, “Sangue fresco”, “O caso da borboleta Atíria” dentro de muitos outros da literatura infanto juvenil, tais livros não tem mais apelo para minha leitura, mas lembro de que gostei muito na época, assim como odiei Machado de Assis, Joaquim Manuel de Macedo, José Lins do Rego, Guimarães Rosa e muitos outros medalhões da literatura em língua portuguesa. Existiram livros que gostei e continuo gostando: Conan Doyle, Maurice Leblanc, o próprio Jules Verne, Eça de Queiroz, Lima Barreto e até Branquinho da Fonseca no livro “O barão”, que tive que ler para o vestibular. Foi só algum tempo depois de terminar o colégio que comecei a fazer as pazes com Machado e Guimarães, autores que exigem mais esmero e experiência de leitura assim como maior experiência de vida.

 Nos gêneros que gosto: aventura fictícia e real, sci-fi, cyberpunk, horror, mistério, policial, filosofia, ciência, espionagem e fantasia, espero que a escrita seja apenas correta, é o enredo que me interessa, não apenas a estória, mas a fusão entre estória e narrativa. Nos reais é a pertinência do argumento que substitui o enredo, é ela que me atrai.

Gosto de críticas analíticas, com argumentos fundamentando o entendimento, tais críticas, mesmo quando desfavoráveis, podem ser úteis ao fornecer-me dados factuais que me permite discordar da opinião do crítico. Gosto de ter um contato “virgem” com o livro, deixando que o autor me convença com seu texto, não interesso-me pela vida do autor, a pessoa que escreve não é a mesma dentro das páginas do livro, o único autor que me interessa é o que está exposto no livro.

Alguns livros sobressaem na escrita, é o que chamo de escrita brilhante, acho que existe três tipos de escrita: pobre, correta e brilhante. Por exemplo: Capitu é insossa, Bentinho é um chato, mas em Dom Casmurro a narrativa brilhante de Machado torna uma estória trivial em festa. No geral prefiro romances, gosto de alguns contos mas são poucos, acredito ser o conto um gênero dificílimo por sua exigüidade; gosto de Poe, Chekov, Conan Doyle, Borges, a única contista moderna que aprecio é a Alice Munro, apesar da temática não interessar-me, a escrita e o enredo são brilhantes, ainda mais por ser na forma espartana do conto.

Gosto de Tolkien, Hemingway, Joyce, Cervantes, Virginia Woolf, Melville, Joseph Conrad, Dickens, Fitzgerald só para exemplificar. Também gosto do Lovecraft, Bruce Sterling, William Gibson, Trevanian, Asimov, Arthur C. Clarke, Lionel Terray, Slocum, Robert Ludlum, Calvino. O último livro popular que gostei muito foi a trilogia Millennium do Stieg Larson, a escrita é correta, mas o livro trouxe ar fresco no gênero policial que sofre da banalização do crime.



May - "Olá, me chame de May. Sou uma leitora eclética e, depende de que lado você vê, posso ser muito ou pouco exigente. Consigo ler quase tudo, não repudio quase nada, mas são poucos os livros que me apaixonam.

Adoro Ficção Científica e Fantasia, seja alta fantasia, seja fantasia urbana, até romances paranormais e sou apaixonada por romance histórico (história romanceada não livros com homens suados e sem camisa na capa). Meus autores favoritos são os britânicos, adoro Ken Follett, Marion Z. Bradley, Tolkien, Bernard Cornwell, Douglas Adams. Também adoro autores de fora do Reino Unido, claro, como Anne Rice, Isaac Asimov, George Martin, Jostein Gaarden (especialmente Dia do Coringa), Eduardo Spohr, J. Z. Colby, Gail Carriger, entre outros.

Nos últimos anos, minhas leituras favoritas foram Ken Follett (Queda de Gigantes), Gail Carriger (Série Parasol Protectorate) e J. Z. Colby (Série Nebador), leituras complexas e bem tecidas e, no caso de Gail Carriger, com uma pitada maravilhosa de humor. Se os autores de Young Adult aprendessem com ela, seriam muito melhores...

Não curto Auto-ajuda e ficção cristã (um gênero virtualmente inexistente no Brasil mas que é bem grande nos EUA) e costumo ler muitos livros de autores independentes dos EUA, que são muito negligenciados pelos grandes blogs de resenha, mas que eu acolho com carinho."


Emanuel Maciel - Sou um apreciador de histórias, e por isso leio de tudo em busca de tesouros como A Relíquia (Eça de Queiros), Alice no País das Maravilhas (Lewis Carrol), Hobit ( Tolkien), Olga (Fernando Morais), Entrevista com o Vampiro (Anne Rice), Jangada de Pedra (Saramago), Perto do Coração Selvagem (Clarice Lispector), contos de Allan Poe, Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde),  O Auto da Compadecida (Ariano Suassuna), Trilogia de Bartmeus (Jonathan Stroud), entre outros. Sem esquecer das boas histórias em quadrinho que agregam à escrita a arte do desenho.

Quase sempre incluo no rol de leitura crônicas coletadas em livros (Veríssimo, Quintanda, Drummont), sites e jornais, pois não há nada melhor que uma história corriqueira contada com mestria.

Nessa busca por boas histórias, arrisco-me ler novos autores em seus livros de estréia, sem preconceito ou juízo de valor pré-definido, se sou surpreendido positivamente, recomendo e divulgo, caso contrário, jaz no silêncio do meu esquecimento.

Além da prosa, sou um apaixonado pela beleza estética e espiritual da poesia e seus mestres: Drummont, Bandeira, Castro Alvez, Algusto dos Anjos, Adriano Espíndola, Vinícius, Cora Coralina, Cecília Meireles, Paulo Leminsk.

Admiro os autores e seus livros voltados ao público infantil e juvenil como o genial Monteiro Lobato, Maria Clara Machado, irmãos Green, Pedro Bandeira, as Aventuras de Pedro Malazartes (vários autores), Ziraldo,  C.S. Lewis, J.K. Rolling  e Talita Rebouças,essas últimas estão longe do genial, mas as admiro por conseguir atingir o público jovem incentivando-o leitura.

Como dá para notar não me fixo a classificações de prateleiras, leio tudo que tiver a mão, incluindo livros de filosofia, mitologia, religião, auto-ajuda, biografias e fofocas (algumas biografias são nada mais que isso).

Escolho livros pela capa, pelo título, por indicação e pela sorte. 

Leio de vagarinho, saboreando a idéia contida nas construções frasais, tentando imaginar tudo o que ali se encontra escrito, às vezes divago na idéia do autor, que me perco, precisando voltar ao início do capítulo.

Gosto das histórias, mas principalmente dos personagens, de sua caracterização emocional, da história que há por trás da história.

Por fim, sou um entusiasta de quem escreve, pois se trata de uma arte-ofício que exige esmero e dedicação, por isso, sempre que posso tento trocar idéias com os autores que leio para dar-lhes feed-back, tirar dúvidas de trechos, e congratulá-los pela iniciativa de compartilhar suas ideias na publicação.


Paulo - Ler pra mim é uma diversão, e me remetem a contação de histórias, por isso sempre dou especial atenção ao personagem narrador, ele é amigo que conta um causo no bar, a avó que nos coloca para ninar, aquele senhor sábio cheio de conselhos.
Venho de uma formação teatral, gosto particularmente de Lorca, Brecht, Shakespeare, Suassuna, Plínio Marcos, Guarnieri, Jorge Andrade, Boal e Moliére.
Estes dramaturgos moldaram meu senso estético e me influenciaram não apenas no drama mas também na prosa, em que gosto de autores como Guimarães rosa, Garcia Marques, Dostoiévski, George Orwell, são tantos nomes, tantas histórias, tanto a ser lido que as vezes acho que me encontro em um labirinto em espiral e a cada letra lida, vejo que a saída esta cada vez mais distante.
Gosto de histórias regionais, sou caipira do interior de São Paulo, pulo pra São Longuinho, ouço causos bem mentirosos e tomo banho de rio, na verdade faço muito isso na imagnação e bem pouco na realidade, mas isto é um mero detalhe.
Também gosto de histórias fantásticas e divertidas como as de Issac Asimov, Neal Gaiman, Douglas Adams e J. R. R. Tolkien.
Com tantos bons mestres por vez e outra me meto a pupilo e tento criar uns poucos contos, pra ver se se aquietam as vozes loucas que me gritam ao ouvido.


2 comentários:

  1. Gente pelo amor de deus publiquem este maravilhoso APP e o video satirizando o Kindle.

    Até que tem certos problemas com a sincronia mas é uma alternativa ao Kindle Colection Manager

    O programa se chama http://kindlean.com/

    retirei da Fonte do http://www.kindleitalia.net/post/2012/02/20/Dispordine-sul-Kindle-Prova-kindlean.aspx

    Um ótimo site por sinal

    Divulgeum o App perante a Progranda enganosa do Kindle PC

    ResponderExcluir
  2. Ler é muito importante, para o conhecimento, para a vida.

    Sem leitura não existe vida.

    Seja você jovem ou velho, leia sempre e aprenderá mais.

    https://www.facebook.com/livrosinfantisdejoseguimaraes/

    ResponderExcluir