quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Yoani, pequena e perigosa como um livro sem censura.

Aumentar Letra Diminuir Letra



Esta menina saída de Cuba passa aqui entre nós alguns dias, não sem tumulto, não sem uma reação contrária que causa vergonha a todos nós brasileiros. Como esta criatura franzina pode ser tão perigosa para fazer com que o braço castrista vare nossas fronteiras e em conluio com nosso governo tente calar sua voz? O que há de especial nesta criaturinha de deus?

Sou um daqueles que alguns dias atrás nunca havia lido seu blog, por pura falta de interesse, pois do que ela fala, parte eu vi, e só este pouquinho já deixou-me chocado, o que se passa naquela ilha não é fácil, e apesar de passar férias maravilhosas, com coca-cola francesa em vez da “tuKola” que chega à ilha apesar do embargo para os que tem dólares para gastar, apesar da distancia higiênica a que somos mantidos dos cidadãos cubanos, a realidade passa qualquer barreira, e se não estiver muito alienado, aquele clima duro chega a ti, apesar dos sorrisos abundantes dos cubanos. É um povo misto e miscigenado que lembra muito os brasileiros, como nós os cubanos não tem cara, não há uma efígie que possa definir todo o povo, sorridentes, alegres e hospitaleiros, como nós, e talvez seja esta semelhança que torne a realidade cubana ainda mais dura. Não há liberdade, e isso está embutido na sociedade cubana, não se fala Fidel nem de Fidel, em lugar da palavra, olha-se para um lado e outro e discretamente acaricia-se uma barba imaginária. O capitão do barco explicava-me que os cubanos, apesar de passarem fome e viverem em sua maioria das minguadas cadernetas de racionamento, não podem pescar por conta de “acariciou a barba”, não entendi, “ acariciou a barba” novamente, e como viu que o estrangeiro não entendia, baixou muito a voz e disse-me quase que escondido e com medo, passou a mão na “barba”, “ Aqui não se fala Fidel”, entendi. O pescado é de Fidel, não importa que esteja faminto, que a proteína lhe faça falta e as costas abundantes estejam lá a oferecer peixe, não se pode pescar.

Como os cubanos gostam de música, salsa é para o cubano mais que o samba é para nós, não saber o gingado pareado do ritmo é como ser um paria, mas os rádios altos, mais que alegria, escondem do governo as vozes sussurrantes em que os cubanos conversam, e nunca em grupos grandes, para não chamar atenção. Espanta-me como este comportamento é uma segunda natureza do cubano, costume forjado na sobrevivência a um governo tirânico. Em pequenas migalhas de conversas, um mosaico monstruoso vai se montando, uma realidade quase insuportável; e seria, se este comportamento furtivo também não escondesse a solidariedade do cubano dos olhos perseguidores do governo. Conversando com uma caixa de banco fiquei sabendo que uma das maiores dificuldades na ilha é conseguir remédios, médicos tem aos montes, mas não remédios ou condições de trabalho, muitos chazinhos, mas tem hora que a realidade da falta de um antibiótico bate dura, e neste momento mobiliza-se a população, escondido do governo, e quem conseguiu um pouco do precioso medicamento cede ao necessitado, de maneira clandestina, e é assim que solidariedade sorrateira torna a vida na ilha mais suportável, a falta de comida e outras bobagens. No dia de partirmos reunimos todos os medicamentos dos kits de primeiros socorros do grupo e oferecemos à caixa do banco, agradecimento e lágrimas por doze séries completas de antibióticos. Existem bobagens que não damos valor, um sabonete perfumado, um tubo de xampu, luxúria na ilha dos irmãos Castro, conseguem imaginar um governo tão mesquinho? Nós turistas tínhamos acesso a tudo com nossos dólares, à vista do cubano, os membros do partido tem acesso a tudo, mas o povo não tem nada, tem é que ficar calado sofrendo pela revolução, enquanto comida e confortos em profusão não faltam aos membros do governo, os representantes do povo, representantes da mesquinharia, da inumanidade, mas não da solidariedade que em Cuba é uma clandestina, pronta a ser denunciada por cães comendo o resto da mesa de seus senhores, circulando disfarçados entre o povo para caçar qualquer ato de humanidade. E foram alguns destes cães, aqui amestrados pelo nosso governo, que ladravam contra a voz da menina cubana; e se a coleira de nossas leis não os impedissem, estariam com os dentes na pouca carne da menina.

Como um governo famoso pelos discursos eloqüentes e longos de Fidel pode acovardar-se diante desta voz tímida e pouco articulada? Uma menininha contra todo um estado, faz-nos pensar.

Apesar da voz suave, quando a tinta de sua pena borra o papel, quando os comandos eletrônicos grafam a tela, ali vê-se uma gigante, sua competência escrita é inegável, as palavras deslizam em seu texto e encaixam-se nos lugares certos, como se ali sempre pertencessem. Uma habilidade escrita capaz de despertar as mais rancorosas invejas, mas não é esta sua força, é algo mais sutil, apenas a verdade que permeia seus textos. Acusam-na de ser agente da CIA, mas seu texto traz a verdade; acusam-na de ser partidária do governo cubano para calar as vozes dissidentes, mas ainda assim o seu texto traz a verdade, não ideológica e partidária, não uma verdade com lados, apenas verdade; e verdade que pode ser confirmada por cada um de livre consciência, e enquanto este for o conteúdo de seus escritos, podem dizer o que quiserem, os que sabem pensar de livre consciência reconhecem que ali tem algo precioso.

É na dura, miserável e opressiva rotina do cotidiano cubano que encontra-se o conteúdo que não querem ver divulgado, a força da voz de Yoani que querem calar, ao faze-la responder questionamentos estúpidos, não pretendem ouvir resposta, e se os cães amestrados parassem de rosnar, disse ela que responderia, mas aí já estaria fazendo o jogo dos que a querem calada, sendo pautada por perguntas e não expondo a hedionda vida imposta pelo regime dos Castro. Tão mais horripilante quanto a naturalidade com que trata dos temas, é o fato de encontrar aqui, entre nós, defensores de tais práticas. O que quer o PT calando Yoani? Por que esta fúria? Por que perseguir e seguir nossa convidada? Por acaso ela assassinou quatro pessoas como Battisti e foi condenada por um país democrático e com tratado de extradição? Não! É apenas uma menina que usou a força da internet para divulgar seu cotidiano medonho, ganhou visibilidade, fora de Cuba, pois na ilha internet é censurada, e assim escapou da sina de muitos dissidentes, mortos na cadeia por discordarem do governo, só isso, o mesmo que faço aqui daria em Cuba pena de morte! Mas não mataram Yoani, não por falta de desejo, mas seria quase tão hediondo como torturar, esquartejar e afogar um bebê em praça pública; por conta de seu blog e sua visibilidade internacional onde a internet é livre, matar Yoani traria uma imagem terrível sobre o governo cubano a público, este preço eles ainda não querem pagar, mas ela vive na corda bamba, condição que poucos agüentariam, por isso foi reconhecida internacionalmente com prêmios em profusão. O que o PT quer calando Yoani é não mostrar o fim a que pode nos levar seus esforços, pois almejam uma ditadura como a cubana, onde gente como eu seria colocada na cadeia sem direitos, Lula quando estava em Cuba presenciou a morte de um dissidente, pessoa que estava encarcerada e torturada por manifestar uma opinião diferente do governo, não era um criminoso no nosso entender, mas Lula o comparou com os nossos encarcerados, bandidos e assassinos condenados, e apoiou o governo que admira, que matou um dissidente como Yoani, mas menos midiático, é assim, nas masmorras, na surdina, que a grande maioria dos que discordam do regime cubano são mortos, por isso a visibilidade de Yoani incomoda, mostra a verdadeira face do horror! Horror este que presenciamos nos latidos e zurros da turba que impediu a menina de falar, contar sua vida.

Yoani vê a existência da manifestação como saudável, pois em Cuba, algo assim visível, não seria tolerado; achou nossa internet rápida e nosso congresso democrático; para quem vive no inferno, até o lixo que temos é melhor, mas ela engana-se, a manifestação não era um sinal de democracia, muito ao contrário, pois o intuito era apenas calar sua voz, e sucederam. Democracia é antes de tudo direitos, direitos iguais, e em nosso solo a menina teve seu direito de falar revogado. É assim que age a turba a soldo destas milícias fascistas, seja em pessoa, seja na internet, coordenados para gritar e calar a voz do cidadão comum que traz a verdade que não pode ser dita: Cuba é um inferno, e é isso que o PT planeja para o Brasil.

Envergonha-nos profundamente a recepção hostil que recebeu no Brasil por conta de apêndices do governo, aqui onde poderia ter descanso das barbaridades de Cuba, sofre perseguição, e é nossa culpa, que nos acomodamos, temos o direito de falar e nos deixamos pautar por um governo ditatorial e contra a lei, a menina já carrega nos ombros uma ilha, não podemos nos omitir e depositar em sua responsabilidade nosso país de dimensões continentais agravando um fardo já tão pesado. Vergonha é que não fizemos nossa lição de casa, mantendo estes cães longe da menina e mais longe ainda do governo, nos omitimos, e qualquer um com uma mínima gota de consciência vai sentir este peso na alma. Temos o direito de falar, nos expressar, mas querem nos calar, a começar de forma obliqua, em estupidez do tipo: “não devemos falar de política”, o que implica duas monstruosidades, primeira: só existe esta política partidária suja, e desconsideramos que viver em sociedade é um ato político inescapável, por isso terem dito os gregos que política é uma das mais nobres tarefas; segundo: através desta alienação, devemos nos excluir de pensar em assuntos que tem influência direta em nossas vidas e deixar para os políticos profissionais, e assim nossa miséria, os ataques a Yoani, são por omissão nossa responsabilidade. E depois da censura oblíqua, virá a direta, com leis arbitrarias para determinar o controle de quem deve ou não falar, devemos lutar agora, pois mais para frente, quando o direito nos for tirado será muito mais difícil. Primeiro lhe convencem de que não tens direito, depois o tiram por força de lei, é assim em Cuba, é isso que não querem que vejam.

Yoani faz uso da ferramenta de blog, os cubanos não podem ler o seu blog, nem acessar a internet livre, nós podemos, ainda, mas ela faz uso da ferramenta aqui desprezada com maior propriedade que nós, que não enfrentamos qualquer dificuldade, ainda. Foi a tecnologia que deu voz a Yoani, e aqui queremos dar um passo adiante, fazendo com que o ebook e o e-reader realizem a tarefa tão necessária de aumentar o acesso do brasileiro ao livro, é um objetivo tímido, mas fundamental, e as barreiras impostas pelo governo do PT mostram o quão mesquinhos são nossos governantes, Dilma é tão mesquinha como os Castro, cobrando um imposto inconstitucional em cada aparelho que torna o acesso ao livro e à publicação livre, mais difícil para o brasileiro.E a realidade mostra-se em toda sua monstruosidade, o que Dilma quer, o que o PT quer, é que tenhamos a mesma vida de Yoani, e se possível com menos direitos.

Eles gritam e se impõem pela força, invadem espaços privados em nome de suas manifestações ditatoriais, usam o nosso dinheiro contra o cidadão brasileiro, tudo isto para criar uma casca grossa que blinde as pessoas da verdade, mas a verdade não se sobrepõe ao indivíduo, não o soterra, penetra fundo na alma fazendo ressonância com a consciência, por isso precisam gritar muito para abafar os sussurros da verdade, mil mentiras sucumbem a uma verdade, por isso este esforço hercúleo para calar a menina cubana. Não vamos deixá-la sozinha, vamos assumir nossa responsabilidade, usar nossa liberdade ainda garantida na constituição, e evitar que o Brasil de quase continente vire ilha.

Alex

2 comentários:

  1. Dolphin Di Luna,

    Espanta-me mais que sua incapacidade de vociferar contra-argumentos dignos de serem respondidos, vindos de uma página impressa na embaixada cubana, a sua capacidade de justificar ditadores sanguinários, revolucionários que traíram o povo, substituindo uma ditadura por outra ainda pior, transformando uma ilha em prisão cercada de tubarões. Como apoiar os crimes contra a humanidade praticados pelos irmãos Castro? Ainda mais com emprego público em um país democrático, difícil ou impossível entender, e aposto que nunca tomou coca-cola no solo cubano, grande embargo ou desculpa do fracasso da ilha prisão?
    E pensar que querem o regime da ilha aqui! É monstruoso! Uma ilha transformada em campo de extermínio; extermínio humano, extermínio dos dissidentes, da consciência, da ciência e da liberdade. Vergonha!

    Alex

    ResponderExcluir
  2. Felipe Sousa,

    Política cara, a política que enaltece todo cidadão, que recebeu de herança o pensamento de cidadania e liberdade herdado das polis de Atenas, dos escritos de Bacon, Rousseau, Voltaire, Tocqueville, Emerson, Thoreau, Proudhon e muitos outros, muitos que ignora, e assim torna-se menos cidadão, escravo dos políticos profissionais e inábil na prática política da luta pela liberdade.

    Alex

    ResponderExcluir