quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Amazon abre correndo sua loja virtual no Brasil, sem kindle.

Aumentar Letra Diminuir Letra



A Amazon abriu hoje, dia 6, um dia depois da Kobo começar a vender o Kobo touch, sem kindle, mas com a promessa de vender o aparelho a R$299,00 em português de “telemarketing” : “O Kindle vai estar à venda no país nas próximas semanas com o preço sugerido de R$299. Para ficar sabendo assim que o Kindle chegar, por favor cadastre seu email no link abaixo e enviaremos uma mensagem de alerta.” Dá para ver que a coisa foi feita às pressas, mas podiam ao menos colocar alguém que entende a nossa língua e costume: “suggested retail price”, nem é um conceito usado no Brasil.

Ontem, mais cedo, a página da Amazon nos EUA mostrava os livros brasileiros a preços compatíveis com os americanos, um de nossos leitores, o Carlos, relatou aqui no chat que conseguiu comprar um livro antes que desaparecesse, pagou bem mais barato. Vejam a imagem abaixo, rapidamente, na categoria ficção literária, logo depois que fiz o post para o blog, desapareceram cento e quarenta livros das editoras tradicionais. Hoje os preços voltaram à “lesma lerda”; o google também passou a vender livros, hoje a Kobo tem uma página para o Brasil.







Ao que parece se dependermos das editoras tradicionais estamos lascados, vamos ver se teremos boas surpresas com os independentes em preço e qualidade. Quem sabe uma lufada de ar fresco na nossa literatura estereotipada e estagnada, sinceramente, gostaria de saber onde estão os bons escritores brasileiros de gênero, essa mania de ser vanguardista literário já passou da validade e começa a feder.

Alex

63 comentários:

  1. A julgar pelas informações iniciais, achei o preço do Kindle salgado. Será que é tudo imposto?
    Acreditava que a Amazon fosse colocar o preço no chão, com margem de lucro pequena, para deslanchar a venda dos e-readers.
    Será que a Amazon confia apenas em sua base instalada de consumidores (dos quais nós fazemos parte)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, nem achei. Sai mais de R$100 mais barato do que importar o modelo básico internacional. Minha reclamação é que enquanto a Kobo trouxe já o modelo touch, a Amazon nos empurra o mais básico dela.

      Excluir
    2. A Amazon aposentou o modelo touch deles depois do lançamento do Paperwhite, é por isso que trouxeram esse modelo para cá. Eu acredito que eles serão ainda mais agressivos em relação a preços. Talvez tragam o paperwhite por 400 reais e o Fire mais básico por 550.

      Talvez esse seja o espírito... já que não dá pra baixar o preço dos livros, vamos baixar ao máximo o preço dos ereaders.

      Excluir
  2. Eu achei que o preço do kindle esta razoável, já que não tem propagandas, este mesmo kindle simples no mercado livre com propaganda é muito mais caro. Mas achei os preços dos e-books em português ainda salgado, compensa continuar comprando na Amazon dos Estados Unidos.

    ResponderExcluir
  3. Acho que o público brasileiro tem "potencial" de receber um Kindle Special Offers. Eu tenho um e me desperta bastante curiosidade os livros e produtos que aparecem no descanso de tela: imagine só a empresa poder difundir publicidade para um público que LÊ (soa quase como uma coisa elitista no nosso cenário).

    Também não entendo a ausência de periódicos (que também poderia se aproveitar colocando uns bannerzinhos entre as reportagens) nessa plataforma, os poucos, mesmo nos EUA são muito fracos.

    ResponderExcluir
  4. Comprei meu Kindle 4 nos EUA e quero dar um de presente para minha esposa. Mas pensar na diferença entre U$79,00 e R$299,00 faz com que minhas expectativas de preços competitivos, seja de e-reader, seja de e-books, permaneçam bem baixas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se juntar os U$79,00 que você pagou nos EUA com as passagens e estadia garanto que sai mais caro que R$299,00.

      Excluir
  5. AChei um valor justo. Creio que a margem de lucros dele já está muito baixa por esse valor (temos que lembrar dos tais impostos). Mas creio que com o tempo o preço talvez caia mais. Mas achei muito bacana a sacada deles: "tipo... nós ainda não estamos vendendo o kindle, mas se você esperar só mais um pouquinho vai conseguir um ótimo e-reader por 100 a menos do que a concorrência" rsrs

    ResponderExcluir
  6. Também achei os preços dos e-books salgados.. Uma dúvida, com a conta vinculada a Amazon EUA não consigo comprar na Amazon BR certo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, tem que transferir a conta para a Amazon.com.br.
      Seus livros e arquivos pessoais "vão para o Brasil", mas se tiver música e vídeos, parece que não.

      Acabei de fazer isso, como tem a seção 'livros em inglês', e aparentemente só muda o câmbio, então a vantagem é ter acesso a todo o conteúdo da Amazon e sem IOF (todas as vendas em reais).

      Também testei aqui (mas não fiz o checkout), os produtos físicos despachados dos EUA vão normal, só livros Kindle que são redirecionados para a página brasileira.

      Excluir
  7. No meu Kindle, quando tentei abrir a Kindle Store pelo aparelho, apareceu uma mensagem de atualização ("Updating your kindle store experience..."). Só que deu erro. Então continua aparecendo a Kindle Store americana. Mais alguém?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora fui na página da Amazon do Brasil e transferi minha conta pra loja brasileira, em vez da americana. Liguei o meu Kindle segurando o power por 20 segundos e ao tentar abrir a Kindle Store pelo aparelho ela atualizou corretamente!

      Excluir
    2. Tentei baixar uma amostra (Budapeste - Chico Buarque) e deu erro no pedido: "Não foi possível processar o pedido neste momento. Estamos trabalhando para solucionar o problema. Você pode entrar em contato com o Atendimento ao cliente do Kindle ligando para 08000959044 ou +55-11--3958-5220 ou tente comprar mais tarde."
      Vou testar outras.

      Excluir
    3. Nossa Daniel, eu mudei o do meu marido para Brasil e consegui comprar.. Dai fiz o teste no meu, mudei para BR, comprei e depois mudei para EUA. Tudo certo por enquanto..

      Excluir
    4. Comprar eu ainda não tentei. Você conseguiu baixar alguma amostra?

      Excluir
  8. Consegui sim!! "Compra" um livro grátis pra ver o que acontece..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, baixei a amostra do Budapeste e para mim deu certo.. Você já conferiu na sua conta da Amazon em qual país está cadastrado seu kindle? Eu fiz a alteração de país pelo site mesmo..

      Excluir
    2. Eu não consigo baixar amostra nem comprar (Os Lusíadas, grátis, por exemplo) através do aparelho. Mas pelo site consigo. Acho que eles ainda estão ajeitando a Kindle Store acessada pelo próprio Kindle.

      Excluir
    3. Mas você baixou a amostra pelo site ou pelo próprio Kindle? Pelo próprio Kindle é que não consigo. Nem baixar amostra, nem comprar.

      Excluir
    4. Ah, só fiz pelo site! Deve ser isso!!

      Excluir
  9. Se eu quiser comprar pela Amazon do Brasil, tenho necessariamente que me desvincular da americana? Vocês sabem se o conteúdo de ebooks da loja americana está na loja brasileira?
    Não consigo achar que vale a pena, principalmente se considerar que minhas assinaturas de revistas serão canceladas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lali, eu acho que realmente vale a pena ficar na americana, ainda mais se você tem assinaturas.. Eu fiz o teste de mudar de país e voltar, pretendo fazer isso quando for comprar algo na brasileira..

      Excluir
  10. Já cadastrei no Amazon brasileira pelo site também.

    ResponderExcluir
  11. Kindle sem Special Offers $89 dólares.
    89 x 2,1(cotação média do dólar) = 186,9

    112 reais de diferença.
    Agora me fale, o kindle vem pro brasil livre de impostos e a amazon superfatura esses 112 reais? Alguém sabe o valor dos impostos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vem livre de impostos, de acordo com a interpretação da legislação atual ele é um eletrônico como qualquer outro.

      Excluir
  12. Não, eles não pagam o mesmo imposto do importador privado, acho, mas pagam im postos sim, e devem ser comparativamente altos. O livro eletrônico no Brasil (e Ereaders) é visto como eletrônico, não como livro, pela legislação. Tem projeto de Lei pra ser aprovado no Congresso, mas tá faltando, como eles dizem, "vontade política". E mesmo se sair, o texto é meio obscuro, meio dúbio, muita margem pra discricionariedade.

    ResponderExcluir
  13. Migrei a minha conta pra amazon brasileira e quando acessei o kindle ele já tinha atualizado a loja oÕ

    ResponderExcluir
  14. Com relação aos livros... Na amazon brasileira tem exatamente os mesmos livros que tem na americana (livros em inglês) mas com os valores devidamente convertidos para a moeda daqui. Quem não tinha cartão internacional vai sair ganhando com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pela manhã bem cedinho não estava assim. Agora está!

      Excluir
    2. A amazon ainda está transacionando apenas com cartões internacionais.

      Excluir
    3. Ednilton, talvez tenha o(s) livro(s) que vc pesquisou, coincidentemente, tanto na amazon americana quanto na brasileira, mas é um equívoco dizer que tem "exatamente" os mesmos livros (em inglês) nas duas lojas.

      Eu pesquisei uns títulos de educação infantil e comportamento que não estão no catálogo da loja brasileira, da autora Jo Frost, a Supernanny britânica. Alguns livros dela só existem no formato paperback e hardcover e a loja brasileira ainda só está trabalhando com livros digitais, mas os livros dela no formato kindle edition que estão à venda na loja americana não estão na loja brasileira.

      Talvez eles estejam atualizando o acervo aos poucos, porque pesquisei antes de ontem, por curiosidade, outros autores de quem já comprei livros na amazon americana e as obras de quatro deles não estavam à venda na loja brasileira. Hoje, após ler sua afirmação de que a amazon brasileira tinha "exatamente" os mesmos livros (em inglês) que a americana, tornei a checar antes de te responder, e os quatro autores pesquisados já estão no acervo da loja brasileira. Mas esta autora, Jo Frost, pelo menos, a loja brasileira (ainda) não tem.

      Excluir
    4. Por acaso, acabei descobrindo um livro grátis na loja americana que custa R$11,45 na loja brasileira. Resolvi pesquisar nas duas lojas a obra mais conhecida de Jane Austen, que teve não apenas trocentas edições, mas também várias obras "derivadas" e "continuações" escritas por outros autores, além de muitas análises sobre a obra, que é "Pride and Prejudice".

      Bem, joguei o nome na pesquisa das duas lojas e pedi para organizar do preço mais barato para o mais caro, daí na loja americana tinha várias obras grátis e na brasileira o preço começava em R$ 1,93. Na amazon americana o primeiro item era um livro de Dickens, o segundo de Oscar Wilde e o terceiro item era uma destas obras "derivadas" de Pride and Prejudice: "Georgiana Darcy's Diary: Jane Austen's Pride and Prejudice continued (Pride and Prejudice Chronicles)", cuja versão para kindle estava grátis. Daí fui dar uma olhadinha na loja brasileira, e o livro está custando aqui R$ 11,45! Então acho bom dar sempre uma comparadinha nos preços, em vez de ir logo comprando os kindle books na loja brasileira, né? Vai que tem outros casos assim...

      Excluir
  15. Galera tenho uma duvida e sou novo com o Kindle. Vou pegar um de um colega do trabalho que não quer mais. O kindle dele esta cheio de livros que ele comprou e dicionarios. Eu queria saber se: 1° eu consigo alterar o registro do kindle ( quando ele comprou registrou no nome dele para poder fazer essas compras)pro meu nome?. 2° Se eu conseguir registrar meu nome eu vou perder tudo que já esta no Kindle?
    aguardo a resposta
    obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kaique,

      Você consegue mudar o registro do kindle e vincula-lo à sua conta, mas ele só terá os livros que você comprou, os livros do seu amigo estão vinculados à conta dele, não ficam no seu kindle, apenas os livros fora do sistema Amazon. Para ter uma resposta mais segura entre em contato com o SAC da Amazon.

      Abraço,
      Alex

      Excluir
  16. Eu acredito que a culpa dos preços altos dos e-books não é culpa das editoras. A verdadeira culpada é da Amazon, na qual coloca os preços nas alturas para obter lucro máximo.
    Daria sim para vender Guerra dos tronos por R$ 7,00 ~ R$ 10,00.
    Eu mesmo paguei R$ 25,00 no livro fisico original em um lugar em São Paulo!
    Está certo que o lugar não tinha loja fisica. Era um vendedor de livros ambulante perto do Metrô Anhangabau...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O guerra dos tronos tá 27 reais quando o em inglês está 9 dólares.
      Mas por outro lado, tem o preço da tradução do livro.
      o Dance with dragons á trinta e poucos reais e o em inglês está 15 dólares.
      Sinceramente não acho que os preços estão superfaturados.

      Excluir
    2. Adré, você está completamente equivocado. A culpa não é da amazon, ela não tem muito a ganhar com ebook caro. Tanto é que hj ela em nota veio dizer o óbvio, a culpa é da editoras. Pois, elas que são dona do conteúdo e estipulam os preços. Na cabeça delas enquanto o ebook não for a fonte de renda espetacular vão continuar barrando o preço. Outra coisa é impostos, livro físico tem alguns benfícios.

      Ebooks só vão pegar quando as editoras acordarem. Aqui já tem a associação das livrarias querendo colocar regras de reserva de mercado, como por exemplo, perídio de janelas. Um ebook só seria lançado 120 dias após o lançamento em papel.

      A culpa é das donas da muamba. Espero que as multinacionais google,apple e amazon consigam brigar tanto que as nossas empresas acordem para esse angu do ebook.

      Enquanto isso, download pirata de epub vai continuar dominando.

      Excluir
    3. Concordo com você, Ronildo. Creio que agora, já que as editoras lançarão ebooks oficiais na Amazon assim como já fazem nas outras lojas, a pirataria aumentará consideravelmente.
      Um grupo de amigos comprará o ebook pelo preço pedido e voilá!
      Se o maior problemas eram as traduções e as diagramações dos piratas, isso tende a diminuir bastante com os títulos oficiais disponíveis.
      A pergunta que não quer calar é: será que as editoras não compreendem que continuarão a lucrar se venderem seus títulos por um preço pequeno para ganhar na quantidade, diminuindo o apelo do ebook pirata?

      Excluir
  17. Tenho uma conta na Amazon internacional. Gostaria de saber se com ela eu ainda posso comprar o kindle paperwhite para receber aqui no Brasil e se vale a pena fazer isso nesse momento. Fico em dúvida sobre dicionário em português, por exemplo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O kindle paperwhite vc só consegue comprando pelo ebay no momento a Amazon não esta vendendo este modelo para o Brasil. Mas caso vc comprar via ebay ou ML vc terá o dicionário, que por sinal sempre esteve disponível comprando pela Amazon, dicionário priberam em português e outros inglês-português.

      Excluir
    2. aproveitando a conversa. Poderia me informar se posso usar o kindle papewhite comprado nos EUA no site brasileiro, li que o firmware do paperwhite só permitia acesso ao site americano. Ou seja posso usar normamlmente este aparelho no Brasil? valeu

      Excluir
    3. Auro,


      Quando você muda a conta o kindle atualiza o software para funcionar a loja brasileira, como o paperwhite ainda não é vendido no Brasil talvez esta atualização não seja possível, melhor perguntar ao SAC da Amazon. Mas muito provavelmente ainda poderá comprar na loja fora do kindle.

      Abraço,
      Alex

      Excluir
    4. Eu compro de boa na brasileira e o meu é o kindle touch.

      Excluir
  18. Fiz a migração e tal. Tudo certo. Agora, o preço dos livros, salvo pouquíssimas exceções, está o mesmo que o das versões impressas. Grande decepção!

    ResponderExcluir
  19. O www.extra.com.br vende os livros impressos mais baratos que os preços dos livros para kindle da www.amazon.com.br.
    Um exemplo:
    Guerra dos tronos na amazon R$ 27,31 (Kindle)
    Guerra dos tronos no Extra R$ 26,82 (livro de papel)

    Então só vale a pena pegar o kindle se você for baixar livro pirata kkkkkk

    ResponderExcluir
  20. Da forma que estão, os preços de alguns ebooks estão mais em conta, outros estão iguais ou com uma diferença mínima aos livros de papel. Mas existem vários casos em que os livros de papel estão um pouco mais baratos que os ebooks.

    Essa diferença acontece por causa da famigerada margem de 30% de desconto para ebooks. Alguns livros físicos estão com descontos enormes, o caso da gerra dos tronos, entre outros. Às editoras parece que só interessa lucrar fácil.

    A grande boa notícia, pelo menos para mim, é que os livros em inglês ainda continuam com preços bem melhores, alguns até mais baratos na kindle store brasileira do que na americana.

    Agora, mesmo com esses preços ridículos, o Kindle ainda compensa para quem prefere a praticidade, a leveza e a versatilidade do leitor eletrônico. Mais do que o preço dos livros, os leitores eletrônicos valem muito mais por todas as outras vantagens que eles nos proporcionam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vocês estão esquecendo que livro não paga imposto mas, ele ainda é cobrado no livro eletrônico! Portanto pode contar que uns trinta e cinco por cento do preço dos ebooks nacionais é só taxa do governo, e isso faz toda diferença, sem levar este fator em conta qualquer discussão sobre preços e equiparação papel digital parece boba, uma vez que no digital tem imposto a encarecer o produto e constitucionalmente é vedado ao governo taxar livros.

      Abraço,
      Alex

      Excluir
    2. Falou e disse, Alê, resumindo é isso, o governo taxa 35% sobre o preço definido pela editora, Amazon e Kobo tem de trabalhar nessas bases, por hora. Não dá pra simplesmente culpá-las de querer lucro alto per si.

      Excluir
    3. De que imposto exatamente vocês tão falando?

      Excluir
    4. Só para começar IRPJ e CSLL, os que a Dilma não quer que o brasileiro saiba quanto custa nos produtos, vetou transparência na lei de iniciativa popular, belo exemplo, por isso você não sabe o quanto paga e para onde vai o dinheiro. Ebooks pagam imposto, parte do dinheiro financia bermudas custando salário mínimo da Vilebrequin, e os mimos da amante do lula, e obviamente financiam a ignorância do brasileiro que não tem como saber por que se gasta R$600,00 em uma bermuda.

      Alex

      Excluir
    5. Alex,

      IRPJ e CSLL são tributos que têm como fato gerador renda e lucro. Você acha que editoras não pagam IRPJ e CSLL sobre a renda e o lucro que conseguem com a venda de livros?

      A imunidade tributária é sobre a produção, a confecção; por exemplo, na aquisição de papel para a impressão do livro. Como num e-book "virtual" não há essa "produção" física, a imunidade seria irrelevante. Ao contrário de um e-book em CD-ROM, disquete etc, que significa uma mídia física.

      Quando falamos de e-book e imunidade tributária, na verdade nos referimos muito mais aos e-readers. Sobre esses, sim, haverá uma grande diferença de preço caso o projeto de lei seja aprovado, porque eles exigem ou uma importação ou uma industrialização.

      Abaixo um julgado do STF explicando a questão:

      "TRIBUTÁRIO. ANISTIA DO ART. 150, VI, D, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. IPMF. EMPRESA DEDICADA À EDIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE LIVROS, JORNAIS, REVISTAS E PERIÓDICOS. Imunidade que contempla, exclusivamente, veículos de comunicação e informação escrita, e o papel destinado a sua impressão, sendo, portanto, de natureza objetiva, razão pela qual não se estende às editoras, autores, empresas jornalísticas ou de publicidade -- que permanecem sujeitas à tributação pelas receitas e pelos lucros auferidos. Consequentemente, não há falar em imunidade ao tributo sob enfoque, que incide sobre atos subjetivados (movimentação ou transmissão de valores e de créditos e direitos de natureza financeira). Recurso conhecido e provido" (RE 206.774/RS, Rel. Min. Ilmar Galvão)."

      Quem é que paga R$ 600,00 numa bermuda, meu deus?!

      Excluir
    6. O Zé Dirceu paga R$600,00 em uma bermuda! E como disse o delubio na CPI:” milhões de reais é apenas mixaria”, claro! Mergulhados nos nossos impostos abusivos! O bandido, chefe de quadrilha ainda tem precedência no governo Dilma, a Rosemery Noronha estava lá até outro dia, amante do lula sustentada a dinheiro público aperacionalizando uma quadrilha, mas acabar com imposto da ignorância? Dilma não faz, apenas mantém os “indicados” por Dirceu e lula até que comecem a feder, depois blindam a investigação da polícia e do ministério público, para que nada aconteça a seus tentáculos, me enoja! Tanto esforço para corrupção e nenhum para educação!

      O Ebook paga imposto, e o IRPJ e o CSLL são os piores pois incidem em cascata, imposto sobre imposto, gerando uma arrecadação violenta, por isso ela vetou que seja mostrado o custo, agora tem mais uma série de impostos, e o pior: complicadíssimo, mas nada que não possa ser facilitado se contratarmos os serviços de rosemary noronha e seus tentáculos, cria-se dificuldades vende-se facilidades, só nos portos são R$2.000.000.000,00 quanto será na ANATEL? Quem são os membros do aparelhamento lá? Quem paga a empresinha deficitária do filho do Lula?

      Deixe de ser vigarista! Se ebooks pagarem imposto diferente do livro físico posso rasgar seu diploma de fundo de quintal? Livro físico é vetado de tributos, e o digital? Depois de tanta corrupção, tanta sujeira, como pode justificar o partido dos podres? Enoja-me. Vá com seu discurso vigarista para outro lugar, aqui não é casa de mensaleiros nem dos filhotes da rosemary noronha amante do lula ou seus esbirros acéfalos.

      Somos cidadãos, cultura educação é nosso direito! Exigimos o que é nosso, sem impostos para financiar vagabundos, não é direito? E aí? Se ebook pagar imposto diferente do livro físico, você dá o favor de nunca mais aparecer aqui, e vai freqüentar exclusivamente os blogs sujos pagos com dinheiro estatal?

      Alex

      Excluir
    7. Alex,

      Tá enjoadinho? Toma um dramin.

      Leia o que você escreveu. Você disse que o livro físico "não paga imposto" e que o ebook sim. E que isso daria uma diferença de 35% no preço no último. Exemplificou com o IRPJ e CSLL (que nem imposto é, é contribuição; aprenda: tributo é o gênero, dos quais são espécies o imposto, a taxa, a contribuição...).

      O que eu demonstrei foi que as editoras pagam, sim, IRPJ e CSLL sobre sua renda e lucro na venda de livros físicos. Portanto, não são esses tributos que vão fazer a diferença em caso de imunidade, porque eles não são abarcados pela imunidade do livro físico. Essa imunidade se refere à produção, confeccão, à aquisição do material utilizado (papel), e não sobre a renda e o lucro da empresa.

      Será que é tão difícil compreender? Acho que não, né?

      No mais, já lhe dei a dica: abra um blog pra discutir o PT, o José Dirceu, Cuba, Socialismo etc. Aqui vamos falar de livros? Cresça.

      PS: Meu diploma, com muito orgulho, é da UERJ. Não exatamente um fundo de quintal. E o seu?

      Excluir
    8. Eu fico aqui imaginando a Intrínseca ganhando milhões com a venda da trilogia dos Cinquenta Tons e não pagando nada de imposto de renda, por exemplo... É, deve ser bem por aí....

      Excluir
    9. Afirme o que disse: que ebooks não pagam imposto como os livros físicos, ambos são vendidos, um paga imposto o outro não. E aí rasgue seu diploma de uerj o meu é da UNICAMP. Infelizmente é essa política safada que vocês querem esconder que faz nossos livros caros, não ver isso é tapar o sol com a peneira, manter a ignorância, ops..., mas não é ignorância que o PT quer manter? Aqui discutimos livros e reprovamos os safados que querem por obstáculos em livros e educação, não é política é ação, são estes vagabundos a causa do problema!

      Discutimos a diferença de preço entre livros físicos e ebooks e o imposto tem grande papel na diferença, a discussão é aqui, vá você para os blogs sujos do seu partido, justificar a bermuda de R$600 do companheiro Dirceu, e o brasileiro pagando a amante do lula, em salário e propina.

      Alex

      Excluir
    10. "Vocês estão esquecendo que livro não paga imposto mas, ele ainda é cobrado no livro eletrônico!"

      Foi exatamente isso que você disse. E exemplificou com IRPJ e CSLL. Quer dizer, a Intrínseca vende, sei lá, 1 milhão de exemplares em formato de livro impresso do Cinquenta Tons de Cinza e não paga IRPJ e CSLL, por exemplo, sobre a renda e o lucro que aufere dessa venda, mas quando vende em formato ebook paga esses tributos? É isso que você está dizendo?

      "Discutimos a diferença de preço entre livros físicos e ebooks e o imposto tem grande papel na diferença, a discussão é aqui"

      Ótimo. Então vamos nos ater a essa discussão.

      Na verdade, por esse viés, o ebook tinha que ser ainda mais barato do que o livro físico. Porque o livro físico, embora conte com imunidade no papel utilizado para sua confecção, não conta com a mesma imunidade nas tintas e em outros insumos utilizados. Já um ebook não precisa de nada disso pra ser confeccionado. Se existem outros impostos que o ebook "paga" e o impresso não, exemplifique. E aí continuamos debatendo. Qual é a dificuldade de ser adulto?

      Parabéns pela UNICAMP, bela faculdade, assim como a UERJ.

      Excluir
    11. Vamos deixar de hipocrisia, todo o mundo sabe que só quem paga imposto é o consumidor final que não tem a quem repassar este custo, portanto, todo imposto vai para o produto, a Intrinsica não paga um tostão de imposto, mas quem compra seus livros sim. Aproveito a oportunidade para desmascarar seu discurso vigarista de uma vez por todas, vamos lá! Confirme! Responda uma única questão, com sim ou não: O governo cobra imposto no ebook? Cobra imposto que não incide sobre o livro de papel?

      Agora vamos ao ponto que quero levantar da Dilma ter vetado a transparência sobre o IRPJ e o CSLL. Como esse imposto é cobrado? O que é efeito cascata? Sobre quem recaem todos estes tributos? IRPJ e CSLL são impostos pagos pelo consumidor ao comprar livros?

      Vamos lá, cadê seu diploma da UERJ? Garanto que tem muita gente com diploma da UERJ louco para te desmentir, rasgar o seu e mostrar que o deles não é lixo, não ficam aqui tentando justificar a atuação de uma quadrilha no governo para lesar os brasileiros, se por ideologia és apenas um otário, se por umas migalhas que os barões petistas jogam aos cães és apenas uma meretriz ideológica a soldo, fazendo o trabalho sujo enquanto o Zé Dirceu compra bermudas populares de R$600,00.

      Vamos lá! O governo cobra ou não cobra imposto sobre o ebook? E depois não ouse mais dar as caras em blog de leitores, pois aqui há cultura e inteligência!

      Se manda! Vai ser vigarista nos blogs pagos com dinheiro estatal, aqui queremos os mensaleiros na cadeia, todos os corruptos do governo na cadeia e que peguem muito mais tempo de jaula! Quem rouba do governo mata pessoas na saúde, mata na segurança, e o pior de tudo, mata uma nação sem educação!

      Alex

      Excluir
    12. Alex,

      Eu estou começando a duvidar da sua sanidade mental.

      Em nenhum momento eu falei que o governo não cobra imposto sobre o ebook. O que eu disse foi que o governo também cobra sobre o livro físico os impostos que você mencionou como se fossem exclusividade do ebook. Você tá confundindo imunidade tributária sobre a confecção de um livro em papel com imunidade tributária sobre a renda e o lucro das editoras.

      "a Intrinsica não paga um tostão de imposto, mas quem compra seus livros sim". Ora, decida-se, o governo tributa o livro físico ou não? É evidente que sim e que essa tributação é repassada ao consumidor no preço final. Nos dois casos. Quem disse o contrário?

      Se o governo tributa o livro físico e o ebook, tributa ainda mais o físico, porque ele passa por um processo de confecção que envolve outros insumos não imunes pelos quais o ebook não passa. Ou você precisa de tinta, impressora, máquinas gráficas etc pra confeccionar um ebook?

      PROCESSUAL CIVIL E CONSTITUCIONAL. MANDADO DE SEGURANÇA. LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ. CARACTERIZADA. IMUNIDADE TRIBUTÁRIA SOBRE OS LIVROS, JORNAIS, PERIÓDICOS E O PAPEL DESTINADO À SUA IMPRESSÃO (ART. 150, IV, D, DA CF/88). INTERPRETAÇÃO.
      1. A imunidade tributária constante do art. 150, IV, D, da CF/88, abrange apenas o papel e os filmes fotográficos destinados à confecção dos livros jornais e periódicos, não estando abrangidos outros insumos utilizados na sua confecção, como impressoras e máquinas gráficas. Precedentes do STF (RREE 190.761-SP, 174.476-SP, 203.859-SP, 204.234-RS, 178.863-SP) e desta Corte (AMS 77136-CE, Rel. Des. Fed. Hélio Sílvio Ourem Campos, Terceira Turma, DJ 02/12/2003).

      Sinto muito lhe informar, mas continuarei participando do blog debatendo civilizadamente. Uma pena que você seja absolutamente incapaz de fazer o mesmo.

      Excluir
    13. Respondeu às perguntas acima? Não! Tergiversou(vai procurar no dicionário), portanto pegue seu banquinho, este diplominha, junto com o diplominha do marido da Rosemary e saia de fininho, aqui não é teu lugar, queremos cultura, você ignorância, queremos educação, você embromação, aqui não é teu lugar, seu papinho precisa de ignorantes para acompanhar, aqui não os irá achar e não adianta importar as hordas bucéfalas do pt, quem não sabe escrever, não consegue enganar.

      Alex

      Excluir
  21. É Alê, esse aí é mais um pelego, daqueles que eu cito vez por outra aqui. Sempre aparece um defensor do apedeuta e da quadrilha de bandidos que é o PT.
    Não adianta discutir com essa gente. Ou são cooptados (entenda-se comprados, levando algum na bermuda, cueca e afins) ou são acéfalos, pseudo-revolucionários. Ou como eu carinhosamente costumo chamá-los aqui em Campinas (principalmente na região de Barão Geraldo...) "comunistinhas de faculdade".
    Entendo sua paciência no limite, Alê. Eu também já desisti de suportar de tentar dialogar com essa laia.

    Abraço!
    Francisco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Francisco,

      Morei em Barão Geraldo no meu tempo de universidade, mas na época eram poucos os bobos ideológicos, fáceis de identificar, com a bolsa a tiracolo e a sandália de couro, chamando os outros de camaradas ou companheiros, minoria até no IFCH. Hoje é bolsa Kelly e bermuda Vilebrequin, comprados como todo bom burguês. Normalmente nem respondo ao bobalhão, já perdi a paciência, não vale gastar meu tempo, mas vi a oportunidade de vê-lo enforcado com a própria corda, afundando na própria mentira e não pude resistir, para quem quer entender, o que vai acima mostra a índole do cidadão, eles tentam ganhar no grito, na força, não tenho mais paciência, deleto mesmo, aqui não é casa da mãe Joana, não há espaços para vigaristas que querem sabotar a educação. É um espaço privado, e se o governo que é um espaço público não é livre, aqui não é o espaço para este tipo de vigarista encher a paciência. Tem montes de blogs sujos pagos com dinheiro estatal para esta corja, aqui não ganhamos um tostão furado, trabalhamos por amor aos livros, não precisamos agüentar esta escumalha.

      Abraço,
      Alex

      Excluir
  22. Estou chegando a este site agora, sempre fui leitor do mais tradicionais, com várias manias, e muito ligado aos meus livros de papel.
    Mas desde que ganhei um e-reader tenho tentato caminhar por esse mundo dos livros digitais e por aqui estou, muito assustado com o tipo de discussão aqui travado. Esse tipo de bate boca é comum por aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Juliano,

      Estamos aqui discutindo o que seria um “leitor do mais tradicionais”. Descreva qual “bate boca”, aqui ninguém tem medo de falar o que deve ser falado, ninguém aqui tem rabo preso, ninguém vai tucanar as discussões, aqui a “amiga íntima” do Lula é só a amante, anão não é indivíduo prejudicado verticalmente e ladrão e bandido não é herói da pátria; e mais do que tudo: livro é livro, seja ele digital ou papel, livro, apenas livro, ou superlativamente: o livro, agora mais barato e mais livre.

      Abraço,
      Alex

      Excluir