segunda-feira, 25 de junho de 2012

A Janela para o Futuro

Aumentar Letra Diminuir Letra



Juntar letras, o som das sílabas, a formação das palavras que arrumadas em frases serão base da nossa comunicação e educação, é tarefa que acontece nos primeiros anos dos bancos escolares; alfabetização é o meio, ler é o fim, finalidade. Há um motivo para sermos treinados em leitura já com seis ou sete anos, todo o nosso estudo subseqüente dependerá da nossa intimidade com esta atividade que deve invariavelmente acontecer no período de seis a nove anos, o tempo da alfabetização, a janela do futuro. Da intimidade com as letras dependerá o desempenho, desfrute e apropriação que vir; sem ler, nada há. Não existe algo tão valioso como a leitura, maior legado de um pai ao filho, é tarefa por demais importante para deixar na responsabilidade exclusiva dos professores. Se o seu filho já com nove anos não lê e escreve com fluência é hora de ficar muito preocupado, pois todo o seu futuro pode estar comprometido.

Da alfabetização cuida a escola, o pai pode ajudar, mas há mais em letras e palavras do que exercícios chatos e repetitivos, livros, estórias e aventuras conectando a terra da fantasia ao mundo infantil com uma ponte de letras. Não force, não brigue, seduza a criança para a leitura, desde antes do início escolar, ler é bom, gostoso, faça seus filhos perceberem, deixe que eles mesmos, com pouca idade, o vejam lendo, responda perguntas pensando em incluir seu filho na leitura, acolher no assunto, não faça da leitura uma separação, use-a como ponto de união. Crianças de pouca idade copiam, se verem os pais lendo, vão querer imitar, mesmo sem saber ler, deixe-os folhear quadrinhos e historinhas para que tenham o primeiro contato com os estranhos e misteriosos caracteres literários, você os fará desejar aprender a decifrar este universo.

Por mais que eu seja um fervoroso "fan" do e-reader, não acho que ele seja ideal para crianças de pouca idade, é um aparelho caro, e precisa de responsabilidade para ser manuseado, deve ser guardado em sua capa e se deixar cair ou sentar em cima ele quebra, responsabilidades que não são supostas a uma criança ter. Se um dia montarem e-readers tão resistentes como as câmeras fotográficas infantis, tudo bem, mas os atuais, são equipamentos de adultos, frágeis, exigem manuseio cuidadoso. Seu filho irá te ver lendo em e-readers, e como muitas coisas, deixe claro que é um aparelho de “adulto”, tais limites se tornam ritos de passagem de nossa sociedade quando ficamos mais velhos: a primeira vez que aprende a usar uma faca, o fogão, a câmera fotográfica complicada, são momentos que nos marcam e lembraremos pelo resto da vida. Celulares deveriam estar nesta categoria, já devem ter percebido como crianças os quebram como se fossem biscoito; não adianta brigar, eduque, explique como se manuseia um livro para não estragar, mas cuidado e responsabilidade só vem com o tempo, não force.

Leia para os seus filhos, principalmente antes da idade escolar, os acostume a imaginarem as estórias, viajar nas terras mágicas da ficção, apenas com palavras e a mente. Torne este momento de leitura uma pratica prazerosa, um momento de empatia com seus filhos; às vezes nossos afazeres diários nos tomam por demais da vida, não temos tempo para estas “indulgências”, mas não inverta os valores, trabalhe para viver, não viva para trabalhar, e viver com os filhos é o motivo de ser pai, aproveite este tempo, torne-o prioritário, crie um hábito saudável e gostoso que deixará para seus filhos boas lembras e os aproximarão dos livros e da leitura.

Neste mundo acelerado é cada vez mais difícil colocar as crianças para dormir, sempre ativas no horário do sono, use a leitura, marque um horário para ler estórias, meia hora antes do horário de dormir já basta, deixe o quarto escuro e sua única luz de leitura. Leia em voz alta de forma natural e pausada, não precisa grandes habilidades teatrais, se as tiver ótimo, vozes diferentes para os personagens serão divertidas, mas um bom texto, lido respeitando suas pausas já é o suficiente para incendiar a imaginação, responda as perguntas, e explique as palavras que eles não entendem, vá lendo e verá que logo caem no sono; no dia seguinte a leitura começa perguntando: “onde paramos?” pois muito provavelmente a última parte que leu, foi passagem para a terra de Morfeu.

Crianças são crianças, e não importa quantas novidades existem, vão sempre encantar-se com os contos de fadas tradicionais ou as peripécias do sítio do pica-pau amarelo. Um amigo meu, quando o filho nasceu, não via hora de ele ser um pouquinho mais velho para ler-lhe O Hobbit ao pé da cama, livro que Tolkien escreveu para os seus netos. Livros são bons pois você pode escolher o que ler, deixe que seus filhos achem o que lhes for próprio de sua natureza, mesmo que ainda não leiam e só escutem, deixem eles opinarem as estórias que querem que você leia. Uma dica, não divida o mesmo livro entre pai e mãe para ler, eles vão preferir um dos leitores, tenha o livro que a mãe lê e outro do pai, assim cada um tem estórias diferentes.

Continue a ler para os seus filhos até que eles queiram ler os próprios livros, e os incentive, nunca os deixe sem algo bom para ler, continue você mesmo lendo seus livros, é outro incentivo, e em vez de ficar olhando o festival de mediocridade que aparece na televisão, reserve um tempo para a leitura.

Nosso cérebro tem um ciclo de desenvolvimento, e para isso passa por fases, Piaget identificou parte do processo, cada coisa acontece a seu tempo, dos seis aos nove anos a criança tem este espaço de desenvolvimento onde a leitura tornar-se-á basilar para todas as etapas subseqüentes, não perca esta janela! Se ler para seus filhos, se ler com seus filhos e dar-lhes acesso aos livros, mais que uma escola cara, isto fará a maior diferença em seu futuro, você terá uma convivência prazerosa, e com toda certeza, aos nove anos, eles estarão com a leitura afiada, prontos a traçar seus próprios caminhos no labirinto de letras do futuro.

Alex

2 comentários:

  1. Oi Alex, muito boa esta matéria, também acredito que as crianças aprendem com os pais o amor pela leitura ou por algum parente bem próximo como foi o meu caso minha tia. Hoje tenho meus sobrinhos e tento passar para eles o amor pela leitura, mas como é difícil competir oom os videos games e dvds, mesmo assim leio para eles quando eles ficam em casa durante o fim de semana, e antes de dormir conto estórias de livros que li, já que gosto também de livros infanto-juvenis. Vamos ver... tenho esperança que pelo menos um dos dois acabe sendo um leitor, digo para eles que sem leitura o futuro é bem mais díficil, e que ler abre horizontes. Li também uma reportagem que hoje é comprovado a leitura como psicoterapia, a biblioterapia, ajuda em todos os tipos de estresse, cansaço e outras doenças, porque ler transporta-nos para outro mundo, o mundo da imaginação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marta,

      Se as crianças acostumam com as estórias bem jovens, vídeo games e DVDs não substituem os livros, é só não proibir, aí você acaba incentivando, deixe que cada um tenha seu tempo, a diferença é que na leitura pais e filhos podem ter contato, uma atividade em comum para desfrute; tudo depende de como você enriquece este tempo, a chave é sedução, nunca obrigação, tudo com muita diversão, e uma boa estória, bem escrita, é sempre muito divertida.

      Abraço,
      Alex

      Excluir