quinta-feira, 24 de maio de 2012

Rapidinha: Projeto de Lei 114/10

Aumentar Letra Diminuir Letra



Na Segunda-feira o projeto foi incluído na pauta de reunião da comissão de Educação do Senado  no dia 22/05, mas não foi apreciado, até o momento não há notícia de quando entrará na pauta outra vez.

Estamos de olho, e para tanto vamos nos manifestar via email aos senadores:



PRESIDENTE: Senador Roberto Requião - PMDB - PR roberto.requiao@senador.gov.br
VICE-PRESIDENTE: Senador Paulo Bauer - PSDB - SC paulobauer@senador.gov.br
Composição
Secretário(a): Júlio Ricardo Borges Linhares
Tel Secretário(a): 3303-4604
Fax Secretário(a): 3303-3121




Texto padrão:
 Assunto email:
Comissão de Educação: Pedido de Inclusão na pauta do dia do Projeto de Lei 114/2010


"Ilmo Senador,
Apoiamos o Projeto de Lei 114/2010 do Senador Acir Gurgacz, pois vemos que a equiparação dos livros digitais (e-books) e dos dispositivos de leitura (e-readers) aos livros em papel trará benefício ao Brasil, pois essa mídia possibilita democratizar o acesso a cultura e educação, sendo fundamental para alavancar os índices de leitura pretendidos pelo Plano Nacional do Livro e Leitura lançado essa  semana pelo Ministério da Educação.
Dessa forma, uma vez que o projeto está em caráter terminativo em vossa comissão, e que o mesmo recebeu aprovação pelo relator Senador Inácio Arruda, urge que esse projeto seja incluído na pauta do dia com maior brevidade possível.
Certos de contarmos com vossa atenção e compromisso, somos.
Respeitosamente,"






Eu já enviei os emails, e vocês?


6 comentários:

  1. Bom dia Emanuel, mandei novamente. Acho que muitos políticos não sabem da existência do e-reader, mês passado aconteceu um fato comigo, fui num evento aqui em SP e encontrei um político no qual também é escritor e gosto muito dos livros dele e perguntei para ele o que ele achava dos e-readers, ele nunca tinha ouvido falar nele. Então acho que ainda o e-reader precisa ser popularizado mais. Mais estamos aqui na torcida para a aprovação desta lei.

    ResponderExcluir
  2. Vou mandar novamente, precisamos insistir. Não vejo a hora de ter meu Leitor em mãos !

    Ele entrou a pauta, mas não foi apreciado. Isso significa que não deu tempo de discutir ele, ou que eles simplesmente não se interessaram pelo PL?

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ótima iniciativa. E o depoimento da Martinha é fundamental pra se entender o que (não) acontece com o e-reader/e-book no Brasil. É uma absoluta falta de divulgação.

    ResponderExcluir
  5. O Brasil como república tem três poderes, judiciário: responsável por aplicar o texto da lei, legislativo: responsável por fazer as leis e fiscalizar o executivo, executivo: administrar as leis. No executivo se exige competência, mesmo que o presidente seja um jumento, os ministros devem entender de suas pastas e cada um tem cargos muito bem pagos para ter os melhores especialistas à sua disposição! Ignorância não é desculpa, pois os quadros do governo tem obrigação em estar correntes de todas as novidades do mundo, e se algo não vai bem a culpa é do presidente. Diretamente! Um ministro corrupto é culpa do presidente que o colocou lá, assim como os ministros tem responsabilidade sob seus subordinados. Se queremos ter um governo que presta não podemos premiar a incompetência, não saber do e-reader e suas vantagens é uma incompetência inconcebível no executivo. Portanto, novamente meu argumento está vivo: Dilma e o PT não querem tomar uma medida simples para impulsionar a educação e baratear o livro, desta maneira, sem sombra de dúvidas, são abertamente contra o livro e contra a educação!

    Alex

    ResponderExcluir