quarta-feira, 18 de abril de 2012

18 de Abril Dia Nacional do Livro Infantil: Uma análise

Aumentar Letra Diminuir Letra

Hoje comemora-se a dia Nacional do Livro Infantil, e essa data não foi escolhida aleatoriamente, mas fora com o intuito de homenagear o dia do nascimento do escritor e visionário José Bento Monteiro Lobato (18/04/1889 - 04/07/1948) autor das maravilhosas obras Reinações de Narizinho, Caçadas de Predrinho, O Picapau Amarelo os Doze Trabalhos de Hércules, entre outros volumes integrantes da Coletânea Sítio do Picapau Amarelo.


 Além de obras de sua autoria, Monteiro Lobato traduziu as obras da literatura infantil internacional como os Contos dos Irmãos Grimm, Hobson Crusoé, Alice no Pais das Maravilhas, Hobin Hood, Contos de Anderson, etc.

Nós da EbookBr prestamos uma homenagem a esse grande brasileiro que com sua frase célebre "Um país se faz com homens e livros." conseguiu sintetizar o que todos os cientistas sociais e economistas tem concluído, a educação é a principal mola mestra para um país desenvolver-se, e são as crianças de hoje, que se bem estimuladas, vão alavancar esse crescimento e perpetuá-lo.

Aproveitamos para fazer uma análise da situação em que nos encontramos e o que se tem feito em prol da popularização da leitura, principalmente a infanto-juvenil.

Estudando o recém publicado estudo Retratos da Leitura no Brasil,, realizado pelo Instituto Pró-Livro (2012), verificamos que houve uma queda no número de leitores no país de 2007 a 2011, passando de 55 para 50% (88,2 milhões), dos quais a maioria é do sexo feminino (57%).

Antes de discutirmos as razões dessa redução é importante entendermos o conceito de "leitor" e "não-leitor" empregados nessa estatística:

x



Ou seja, por essa definição podemos aferir que os leitores brasileiros leram no mínimo 4 livros nos últimos 12 meses, quer seja a obra inteira ou partes, o que nos coloca atrás de países como Espanha (10,3 livros/ano), Portugal (8 livros/ano), Chile (5,4 livros/ano) e Argentina  (4,6 livros/ano).

É interessante analisar que o perfil de leitor que mais contribui para essa média é formado pela faixa etária dos 5-17 anos (infanto-juvenil), os quais possuem a maior proporção de leitores/não-leitores analisados (35%/14%), ou seja, são os estudantes que mais leem no país.

A redução da penetração de leitura no país citada acima ocorreu em todas as regiões do país com exceção da Região Nordeste que se manteve estável em relação a 2007,  por conta do aumento do número de estudantes registrados nessa região em 2011.

Associado a esse fato, vemos o reflexo da indicação de livros na escola impactando nos índices de livros lidos (últimos 3 meses), quanto maior a porcentagem de indicação, maior foi a proporção de penetração de leitura da faixa etária escolar.

E como podemos melhorar essa realidade?

A pesquisa dá um norte bem interessante para seguirmos, investir no estímulo a leitura na base, ou seja,  nenhuma fórmula mágica, apenas investir na educação fundamental escolar e doméstica.

Os dados mostraram que os leitores foram influenciados positivamente pelos professores(as) (47%) e pela mãe (43%) e pelo pai (17%). Os entrevistados afirmaram que passaram a ler estimulados pelo exemplo dos professores e  pais, que liam para eles quando crianças, ou que os viam lendo.

Na pesquisa mostra uma correlação bem interessante entre a presença de uma mãe que lê em casa na formação de um leitor, em números, 63% dos não-leitores afirmaram "nunca ver a mãe ler " quando comparado a 39% dos leitores.

Além disso, presentear alguém com  livro mostrou-se de suma importância para formação do leitor, 87% dos não-leitores "nunca" ganharam livros, em contra partida. Em adição, 88% dos entrevistados consideraram importante ter ganho livros, o que lhes ajudou a despertar o gosto pela leitura.

Desse modo, uma das formas para tornar nosso país mais desenvolvido é aumentando a penetração da leitura, levando conhecimento as crianças e adolescentes, permitindo que eles possam alcançar todo seu desenvolvimento intelectual e moral, e dessa forma, traduzir esse ganho em uma produção material e imaterial.

Mas não precisamos esperar grandes obras do poder executivo, podemos começar esse caminho aqui, e agora, leia para alguém, dê livros de presentes, estimule suas crianças.

E como lembrança de que é possível fazermos, segue o link com sugestões de e-books infanto-juvenis comentados aqui no blog: http://www.ebookbr.com/2011/08/desafio-kbb-os-e-readers-e-e-books-para.html


Claro que é apenas um passo, de uma caminhada longa e árdua, mas só se vence quilômetros andando-se o primeiro metro, não é?

Em outra oportunidade analisaremos o restante da pesquisa e o que ela nos aponta sobre o futuro dos e-books.

Um comentário:

  1. cresci lendo as aventuras do pessoal do Picapau Amarelo, viva Lobato e espero que hoje em dia os pais sejam espertos e dêem livros do lobato para as crianças ao invés de apenas video games

    ResponderExcluir