terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Os tablets acabarão com os e-readers?

Aumentar Letra Diminuir Letra



Uma pergunta que sempre nos fazem é: "porque comprar um e-reader se um tablet possui muito mais funções?" Somado a isso temos a posição de algumas grandes livrarias que não acreditam que o e-reader seja o dispositivo que irá impulsionar as vendas dos e-books e sim os tablets, por fim há sempre futurologistas prontos para declarar o fim do e-reader.
As principais críticas ao e-reader são a baixa taxa de atualização que muitos vêm como lentidão, fora que muitos acham que a tecnologia não tem muito mais a avançar depois da adição de cor não terá pra onde a tela de e-ink crescer.
Estes argumentos parecem fortes, e os esforços das empresas brasileiras parecem mesmo indicar um fim prematuro para os aparelhos dedicados.
Entretanto a questão precisa ser analisada com um pouco mais de seriedade.
Os benefícios das telas de e-ink sobre a de LCD são inúmeros, além da questão do reflexo, de não precisar de retro-iluminação e da bateria durar muito mais ainda temos a questão de que um aparelho dedicado não permite distração, o que pode ser muito útil se queremos uma imersão maior no livro.
Mas tudo isso é lugar comum, já foi dito e redito e mesmo assim continuam a apregoar o fim do e-reader.
Já cheguei 
a ver comentários que chamavam o e-ink de tecnologia fracassada.
Acontece que milhares de e-readers continuam a ser vendidos toda a semana o que invalida a visão da tecnologia como fracassada, ela já deu muito lucro, e mesmo que as telas de LCD vendam mais, é preciso ter em mente que o mercado de leitores é diferente e substancialmente menor que o de usuários de tablets.
E é justamente este o fato que muitas vezes acaba sendo esquecido, qual a natureza do consumidor de livros digitais.
Pessoalmente eu acredito que ela está próxima de amantes de leitura e cultura em geral, além daqueles que vêm a possibilidade de conseguir livros por preços menores.
E eis que se apresenta uma questão crucial o preço. O preço dos aparelhos no Brasil são proibitivos, e não é a tôa que nestes preços as pessoas preferem comprar tablets, primeiro porque o tablet acaba sendo mais barato, depois pela natureza multi-funcional do aparelho ele serve para muitas necessidades além da leitura. Pode parecer que estou reafirmando a superioridade, mas veja que eu falo em necessidade e não utilidade, o que significa que o cidadão comum brasileiro não pode gastar quase mil reais para um aparelho específico para uma atividade de lazer, se ele vai gastar este dinheiro, ele precisa que o aparelho lhe permita ao menos checar os e-mails e tocar vídeos e músicas.
Por outro lado a notícia de que a Amazon pode vir a vender o Kindle por R$200,00, causou um furor, a informação continua sendo repassada e muita gente animada com a notícia.
Um aparelho dedicado a uma função por R$200 é muito diferente de um por R$1000, e se este aparelho é o melhor no que faz, eu irei preferi-lo ao tablet.
Pra terminar sobre a questão da baixa possibilidade de avanço da tecnologia, isso não parece ser verdade, já vimos aqui o Cybook Odisey com sua e-ink de alta velocidade e as telas coloridas estão cada vez mais avançadas. Mas acredito que as grandes possibilidades da tecnologia não estão no hardware, mas no software e nos serviços associados a estes aparelhos, acredito que muito ainda pode ser explorado neste campo.

14 comentários:

  1. Os e-readers só perdem na multi-função se uma pessoa quer um aparelho para varias coisas eu recomendo um tablet mas se me perguntam de um aparelho para ler é e-Reader na certa e na boa eu não troco meu e-reader pro um tablet nem a pau, se o objetivo de quem vai comprar o aparelho é ler livros não tem o que discutir o conforto e semelhança a ler um livro físico só se consegue com o e-reader e não com o tablet e não acho que a tecnologia das e-ink precisem de nenhuma evolução após conseguir uma tela colorida porque ela já faz o que é sua proposta: ler livros

    pô achar que que é devagar a troca de pagina chega a ser sacanagem, quero ver você trocar a pagina de um livro normal mais rápido do que a troca do kindle, faça me o favor né...

    ResponderExcluir
  2. Quando vejo este comentário fico até preocupada, meus irmãos têm tablets e já li neles e são bem cansativos para a vista além de mais pesados do que o meu kindle, para quem realmente gosta de leitura e quer esta função não tem como pensar duas vezes, o e-reader é bem melhor e bem mais leve. Não consigo imaginar a minha vida sem o e-reader depois que me acostumei com a leitura de e-books, além de ler mais do que lia se bem que sempre comprei muitos livros, mas os preços na Amazon são convidativos e compramos bons livros por preços baixos. Se realmente a pessoa gosta de ler duvido que ela troque o e-reader por um tablet.

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente Paulo, a tecnologia e-ink está apenas no início e me parece muito mais promissora para os tablets e e-readers do que as telas de lcd.

    ResponderExcluir
  4. Eu só não sei porquê diabos não há quem preste atenção nessas criaturas, talvez obsoletas que somos, os leitores que querem, veja só... apenas LER... e para isso (e tenho ambos) os e-readers são simplesmente imbatíveis. Além disso, tenho me forçado (e ganhado muito com isso) à leitura em outras línguas... o que não faria sem o kindle.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Mesmo aqui. O Kindle me ajudou muito para ler em inglês. Acesso fácil aos livros e uso rápido do dicionário.
      Mas acho que no Brasil ele tem tudo para ser um fracasso. Preço abusivo dos aparelhos e livros caros e com qualidade duvidosa.
      Restar torcer para a Amazon popularizar essa cultura no Brasil.

      Excluir
    2. Maurem,
      Eu não acreditava que a mídia eletrônica pudesse substituir o livro em conforto, isto foi até o Sony reader cair em minhas mãos, é confortabilíssimo para a leitura lúdica, já o tablet não é confortável, e só quem tem um e outro pode ver a diferença, o conceito e-ink só é inteligível para quem lê e pegou o aparelho na mão. E-reader é para leitor, para quem gosta de livros, quem não lê vai preferir o tablet.
      Abraço,
      Alex

      Excluir
  5. A discussão parece com a que ocorreu no passado quando surgiu a televisão. Acharam que a televisão iria acabar com o rádio e por aí vai. Há uma diferença importante no paralelo: a leitura de livros é de uma tradição de longa data. Os e-readers são muito confortáveis para a vista. Não há concorrência.

    Se alguém usa um iPhone ou similar tem aplicações específicas, embora ele possa fazer tudo o que um tablet faz, é miudinho. É uma maravilha para respostas rápidas de email. Ótimo para se usar sem precisar abrir um computador, para verificar sua conta, para receber mensagens, tem uma série enorme de vantagens e aplicações para os mais variados fins Navega-se com facilidade em quase qualquer lugar, também sem precisar abrir o computador, na sala, no quarto tem-se o tablet..

    Já para quem gosta de ler livros o e-reader é imbatível. Leve, manuseio com apenas uma mão (no livro tem-se que usar duas mãos quando se passa uma página). Não tem luz própria, o olho não é agredido. Se se comparar o e-reader (com tinta eletrônica é lógico) com qualquer computador (ou tablet) ganha disparado em conforto de leitura.
    Acontece que a iluminação propria (tablet e computador) fazem com que o organinsmo produza melanina e prolonga a vontade de continuar acordado. As vezes eu fico com um sono enorme mas não fecho o olho. Já com um e-reader eu tenho que colocar uma almofada no seu trajeto de queda quando leio deitado na cama.

    O tablet, com sua navegação fácil, atrai muito a dispersão. A busca que começou específica vai se ampliando (nosso ego sempre quer mais e mais) e acabamos levando um tempo enorme na tela, as vezes até esquecendo a nossa finalidade inicial. É bom para ver as figuras, leitura com muitas fotos. Entretanto, a luz do tablet, a mesma do computador cansa a vista.

    O que não se popularizou é o tablet original aquele que se escreve na tela. Tive um que foi excelente para meu trabalho de professor e expositor. Corrigi muitos trabalhos riscando na tela e devolvia para os alunos. Efetuava expsição escrevendo em cima dos slides. Entretanto tive limitações nas tentativas que efetuei querendo ministrar aulas somente com o tablet e os diferentes softwares de computador (power-point, corel draw, faststone e outros). A dinâmica de um professor escrevendo no quandro negro (ou branco) é muito grande. Usamos a imaginação, criamos animação nos desenhos, empregador gestos largos. Tentei fazer isso no tablet e foi um fracasso mesmo que a tela tivesse 11 polegadas. É muito pequena para os desenhos (usei um notebook ibm com caneta sensivel, caríssimo).

    Fnalmente, pergunto: em que a tecnologia do livro mudou nos últimos duzentos ou trezentos anos? Como essa tecnologia influenciou o LEITOR? Parece-me que os instrumentos de apresentação do texto e imagem (sons e filmes) serão os fatores determinantes para a escolha entre tablet, computador, e-reader e celular. Parece-me que a tecnologia do e-ink facilitará em muito a distribuição do livros, redução dos estoques, ampliação do número de leitores e barateamento dos custos de produção e, principalmente, distribuição. Quando a educação for levada mais a sério poderemos ter textos, sons, filmes incorporados em um só instrumento. Porém não será padrão, servirá para fins especificos.

    Essa é a minha experiência pessoal, limitada, porém analisada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roberto, qual tablet que vc usou que escrevia na tela? Ele era bom para corrigir os trabalhos?

      Excluir
    2. Roberto,
      Concordo com quase tudo, sem o e-reader ler na cama é difícil, gosto de ler antes de dormir para dar aquela relaxada, às vezes acordava na manhã seguinte com o livro amarfanhado de rolar na cama, com o e-reader devo evitar ser colhido nos braços de morfeu com o aparelho repousando sobre o peito, pois no dia seguinte em vez de livro amassado terei um aparelho quebrado. O tablet não estimula a melanina, garanto que se o fizesse teria muita gente por aí usando-o para bronzeamento, a luz do tablet inibe a síntese de melatonina, este sim o hormônio responsável pelo sono.
      Abraço,
      Alex

      Excluir
    3. Felipe usei um tablet IBM X41. Ele durou 5 ano (2004 a 2009). Custou uma nota preta. Anos depois vi os modelos mais modernos também caríssimos. A correção dos trabalhos é muito amigável. algumas poucas vezes vezes eu ampliava a tela para poder escrever normal e a letra não sair grande. Igual a papel. O windows que usava era apropriado para tablet. O bom dele é que você escreve diretamente na tela, risca em cima dos nomes e figuras, insere marcador de texto de várias cores e é bastante estável ( o que voce escreve fica lá mesmo, não corre como acontecia quando voce inseria figuras no windows). Mas o bom mesmo eram as apresentações. Porque no Power point você pode escolher caneta e aí risca nos desenhos, mostra setas, círculos, realces. Certa vez eu apresentando efeitos de chuvas desenhei sobre fotos mostrando o caminho as águas, os locais de acúmulo e o efeito que causaria no local. Foi fantástico, todo mundo entendeu e ficou superprático. Agora, no word, sem tabelt, você pode também inserir comentários com as correções e usar a formula de proteger documentos para realçar alterações sugeridas.

      Obrigado Alex, você tem razão a luz do computador inibe a síntese da melatonina, se fosse melonina eu também estaria pegando um bronze. Agora para ler eu costumo ficar de lado (inclusive dizem alguns médicos que é a melhor posição para dormir) e tenho uma mesinha perto e coloco algumas almofadas no chão. Quando eu não colocava almofadas o kindle caiu umas duas ou tres vezes, numa delas tive trabalho de colocar sua carcaça no lugar mas ele continuou funcionando.

      Uma outra dica: em janeiro de 2012 comprei um kindle para minha filha com capa e luminária da Amazon. Apesar de cara (US$59,00 a capa-luminária) adorei! Fica tudo juntinho, você nem nota a luz. Logo que recebi achei que não tinha luminária pensei em reclamar quando a percebi. Ela fica escondidinha. É super prático para ler. Eu pensei em usar a capa no meu kindle, mas não deu. Os tamanhos são diferentes. Outra coisa o novo Kindle tem menos memória (veio com menos de 2 GB o meu tinha 4) e NÃO FALA, NÃO LÊ. O meu antigo lê direitinho (em inglês).

      Abraços,

      Excluir
  6. Não me importo com o que vai acontecer aos e-readers. Tenho o meu Kindle Touch e ele é tudo o que sempre precisei. Considero uma aquisição revolucionária na minha relação com a leitura. E o tempo com leitura aumentou consideravelmente. Recomendo fortemente.

    Também não faço questão de que coloquem outras funções no Kindle. Não preciso ler meus emails na rua com ele. Tenho meu micro e lap para isso. O Kindle é para quem gosta de ler e cumpre muito bem sua função. Kindle e Calibre formam uma dupla perfeita aos atentos leitores brasileiros. Essa dupla é só alegria.

    Até ontem eu andava com um dicionário português-português junto com o Kindle... Incômodo, pesado, trabalhoso e demorado. Fiz o que já devia ter feito a mais tempo: Procurei, encontrei e baixei um dicionário port/port e meti para dentro. E já estava em mobi. Agora com um toque na palavra abre-se uma janela com o significado. Isso é uma maravilha. Só falta um dicionário ing/port.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roque tem um dicionario ing/port no amazon com transcription, excelente recomendo.

      Excluir
    2. Falou tudo Roque. Minha leitura tbm aumentou muito com a compra.

      Excluir