sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Entrevista com Erick Santos Cardoso da Editora Draco

Aumentar Letra Diminuir Letra

A Editora Draco, é especializada em literatura fantástica, sendo uma das pioneiras neste nicho no Brasil, e ela acaba de lançar seus livros na Amazon, por conta disso fizemos uma pequena entrevista com o Erick Santos Cardoso, Editor da Draco.


Conte um pouco como surgiu a Draco?

A Draco é um projeto que vem desde a época da faculdade e que inicialmente se proporia a publicar quadrinhos brasileiros. Aprendi logo as dificuldades de distribuição e vazão de grandes tiragens, o que pôs o projeto em pausa. Usando a experiência que consegui por trabalhar há mais de 14 anos no mercado editorial, e graças a advento das tecnologias de impressão digital, que permitem baixas tiragens a preços acessíveis, resolvi trabalhar com a literatura de gênero, um terreno que vi como pouco explorado em 2009 quando visitei o Fantasticon. A presença de público e de produtores de conteúdo era muito pequena. As últimas edições foram bem melhores, um bom representativo do crescimento do mercado de literatura de gênero/entretenimento.

E como é o mercado de Literatura Fantástica no Brasil?

Quando a Draco surgiu, o mercado estava muito ligado às publicações de demanda, ou seja, financiadas por autores, mas também havia algumas casas que trabalhavam com o modelo tradicional, no qual a editora se interessa por um original e investe nele, cabendo ao autor uma porcentagem das vendas. Como sempre gostei muito de ilustração e fantasia, comecei a trabalhar reunindo os veteranos que já vinham atuando e também lançando novos autores por minha conta, o que ainda era raro. Hoje em dia há muitas editoras apostando nos nossos autores e acho muito compensador fazer parte desse processo. Percebi também que a aceitação das livrarias melhorou, o que nos dá o acesso aos leitores de ficção científica, fantasia e terror que sempre existiram e sempre existirão, mas que até pouco tempo contavam apenas com traduções de publicações estrangeiras de sucesso.


Porque agora vocês resolveram investir em Livros Digitais?

Publicamos os primeiros títulos só em outubro de 2011, não viemos antes porque estávamos entendendo como o mercado se posicionaria, pois a tecnologia sempre foi um interesse meu e procuro acompanhar o que surge. O que era um tímido movimento para regularizar questões de direitos autorais e varejo no Brasil, agora vira uma questão de urgência, por conta da chegada de empresas de tecnologia que já vêm trabalhando com formatos digitais. Apple, Amazon e Google são os nomes mais expressivos, mas já temos distribuidoras brasileiras e varejistas comercializando os livros digitais e audiolivros. Os novos editais de compras de governo que incluem formatos acessíveis e digitais também são indicativos de uma mudança do mercado para atender esse futuro que já chegou.

Qual a posição da editora em relação ao DRM?

O DRM é um mal necessário, precisamos oferecer o mínimo de segurança para os autores que apostam conosco nesse caminho que ainda está sendo aberto, pelo menos no Brasil. A discussão rende muito, mas posso resumir dizendo que tenho certeza que haverá um dia em que DRM ou mecanismos de proteção de cópias sejam irrelevantes, mas antes disso precisamos dar disponibilidade abrangente, preços justos e acesso rápido do público ao conteúdo legalizado.



Como vocês lidam com a Pirataria?

É como eu disse acima, precisamos disponibilizar o conteúdo legalizado no maior número de lugares possíveis e com preços justos, além de continuarmos batendo na tecla da importância da aquisição dos livros pelos leitores, senão nunca teremos escritores brasileiros profissionalizados e que se dedicam apenas a contar histórias. As baixas tiragens e leitura de nossos escritores fazem com que  produzam literatura apenas como um hobby. Quando pudermos ter profissionais da literatura a pirataria se tornará menos nociva, mas ainda é um caminho comprido e muito mais complicado do que podemos prever.


Qual a fórmula que a Draco vai utilizar para determinar o preço final ao consumidor brasileiro?

Na campanha do #AnodoDragao, nossos preços serão iguais, US$ 4,99 para os romances e US$ 0,99 para os contos. Para a nossa realidade estão cerca de 70 a 80% mais baixos que as versões físicas, enquanto lá fora o preço do ebook para edições mais tradicionais se aproxima dos US$ 10,00, sendo mais caros que as versões de massa US$ 7 ou 8,00 (os pockets em papel jornal, não o capa dura que são os livros quando lançados e custam em média US$ 30,00). Isso é um esforço para popularizarmos a leitura digital, mas também é um recurso para chegarmos a esses leitores. Sabemos que não necessariamente quem lê ebook é quem lê um livro impresso, que tem ainda a questão do colecionador, de ter na estante. Há uma relação de afeto com o objeto livro, eu mesmo tenho mais de 2000 (não os da Draco, rs) só em casa... Para o futuro pensamos em torno de 50% do preço do impresso como um bom número, mas só a experiência que tivermos esse ano pode mostrar o que podemos esperar.


Uma tendência atual do mercado são os Singles, livros curtos com baixíssimo custo, vocês têm planos para este formato?

Na verdade acabamos de anunciar os primeiros lançamentos, as primeiras capas e títulos já estão disponíveis aqui. Todos os singles custarão US$ 0,99 com o preço estimado para o Brasil de 2 ou 3 reais. O nosso primeiro título já está disponível, é um conto meu chamado O Turista.
.

E como está sendo a resposta dos leitores a este formato? Há alguma resistência? As vendas estão indo bem?

Logo na primeira semana já houve boa saída de todos os títulos publicados, além de muita repercussão e comemoração pelas redes sociais, o que é muito bom e mostra a carência dos leitores de ebooks brasileiros por material nacional. Não vamos desapontá-los, um dos objetivos do ano será disponibilizar simultaneamente os impressos e os digitais para os lançamentos que virão.

E os autores, como estão se posicionando em relação ao formato digital? Há muito receio da parte deles, ou gostaram da novidade?

Alguns autores têm medo da pirataria, têm medo que a experiência seja prejudicada porque temos projetos gráficos especiais para cada livro. Mas aí é o nosso trabalho convencê-los de que vamos transpor tudo o que pudermos para a edição digital e garantirmos que só vamos comercializar com varejistas sérios e que produzam números confiáveis e controle adequado dos conteúdos. Todos estamos apostando nesse formato e muito confiantes, dados os primeiros resultados.

Quais deveram ser os próximos lançamentos, que veremos disponíveis na Amazon e em outras livrarias Brasileiras?

Já estão no ar quatro títulos, três romances e um conto. Mas na fila de espera há mais 5 títulos, os materiais são checados pela equipe da Amazon e só depois vão ar. Além do nosso controle de qualidade, que checa a navegação e conversão adequada de estilos e imagens, também temos que aguardar o aval deles. Acho que vale a pena, no fim das contas. E vamos lá, os ebooks estão aí e são uma ótima chance para conversarmos com leitores em língua portuguesa que adquirem os livros instantaneamente e sem fretes, não apenas brasileiros que morem fora do país, mas a possibilidade de sermos lidos e vistos por pessoas do mundo inteiro. E não há nada que um autor mais queira do que ser lido.

Livros já publicados:
O Turista (Portuguese Edition)
O Baronato de Shoah - A Canção do Silêncio (Portuguese Edition)
Selva Brasil
Neon Azul (Portuguese Edition)
A Torre das Almas (Portuguese Edition)
Eclipse ao pôr do sol e outros contos fantásticos (Portuguese Edition)
A coleira do amor (Portuguese Edition)
O cheiro do suor (Portuguese Edition)
Brazil reloaded (Portuguese Edition)

9 comentários:

  1. Esse disse tudo. Combatemos a pirataria com facilidade de download e preço justo.
    Como o conto que vocês colocaram no site. Fácil de comprar e barato. Por que eu iria procurar em outro lugar?

    ResponderExcluir
  2. Em janeiro eu li:
    A Game of Thrones (A Song of Ice and Fire, Book 1) - U$8,99
    World of Warcraft: Rise of the Horde (No. 4) - U$7,99
    Para Além da Barreira do Sono - R$ 3,90
    Histórias de Canções - Chico Buarque - R$ 24,90

    Esse último comprei na gatosabido, tive que quebrar o DRM e paguei quase o preço dos dois primeiros que recebi tranquilamente, direto para o meu kindle.

    Isso desmotiva o consumidor.

    ResponderExcluir
  3. Ué, mas não perguntaram o que eu mais queria saber, se os livros serão disponibilizados em .mobi, ou só em epub, o que faz com que tenhamos que quebrar a DRM!

    (dei uma olhada no site da editora e vi ebooks só em pdf, procede isso?)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acabei de comprar o O Turista pela amazon. E vi que todos os outros contos também estão disponíveis lá.
      E como ele fala que a DRM por enquanto é um mal necessário, deve lançar em epub com a "mardita".

      Excluir
    2. Arthur os livros são vendidos em Epub com DRM em livrarias como Cultura, Gato Sabido e Saraiva.
      E no Formato AZW que é o nativo do Kindle na Kindle Store, como visto nos links

      Excluir
    3. Entendi, obrigado a explicação. Mas tem algum motivo (fora a frescura) para as lojas daqui não venderem os livros também em formato pra Kindle? nem precisaria se o azw, poderia ser o mobi.

      Excluir
  4. Arthur o problema é um pouco complicado o formato é proprietário, não sei se pode ser vendido assim, tenho procurado essa questão e ainda não obtive uma resposta, fora que o mobi não tem DRM o que é outro empecilho para muitos.

    ResponderExcluir
  5. Entendo o caso Paulo, mas só que acho um pouquinho de cabeça dura isso de DRM. É só um empecilho que dura o que? 40 segundos pra tirar? Se ainda a DRM realmente impedisse alguma coisa, mas é mais fácil de quebrar que proteção de DVD..

    ResponderExcluir
  6. Acho a editora Draco super importante para a literatura nacional, porque ela investe em um ramo literário que não tem acolhida pelas editoras tradicionais no país.
    Mas fica uma dica para o Érik (derivada do comentário do Arthur), disponibilize ebooks de dois ou três títulos de boa saída e um com pouca saída com preço de R$ 10 e sem DRM nas livrarias nacionais e até aquí no blog, kindle store também.
    Acredito que em pouco mais de 3 meses é possível superar as vendas em papel destes títulos, com maior lucro do que o que se tem hoje com a venda dos ebooks, a preço de livro físico, e com DRM.
    Faça o teste!?

    ResponderExcluir