quinta-feira, 6 de outubro de 2011

E-readers e o lixo tecnológico

Aumentar Letra Diminuir Letra




Para quem ama a tecnologia em si ou para quem está mais focado nos benefícios que pode obter dela (carregar mais de mil livros numa bolsa de mão por exemplo!), as notícias sobre novidades em gadgets sempre empolgam. Mas além da euforia, alguém aí já parou para ponderar sobre os custos e problemas da cada vez mais rápida obsolescência desses equipamentos? Não? O cenário aqui na nossa pátria mãe gentil não é dos mais animadores.

É verdade que o discurso do ecológicamente correto já penetrou nossos noticiários e está em qualquer campanha de marketing, mas não acho que possamos dizer que a prática reflete de modo coerente os discursos.

Mas não precisa interromper agora a leitura, o objetivo do post não é o catequismo ambientalista. Consideremos que, no caso de e-readers, se o foco de interesse é mais o conteúdo do que o dispositivo, e considerando que os equipamentos de boa qualidade não perdem performance com o passar do tempo em função de novos softwares, podemos esperar uma vida útil realmente útil mais longa e, portanto, menos impactante do ponto de vista ambiental - tanto no que se refere a consumo de recursos como ao
descarte dos resíduos.

No segundo KindleCast, falamos um bocado dos novos modelos de kindle, da chegada do Kindle Fire e suas possibilidades todas. Depois, navegando pelos posts mais antigos aqui mesmo do blog, vi a declaração de amor do Emanuel ao seu Kindle 2 e fiquei pensando que no ramo dos dispositivos de leitura, pelo menos se pensarmos na linha de leitores da Amazon, a obsolescência parece um pouco menos agressiva que no caso dos PC’s e celulares - que em pouco mais de um ano acabam se tornando ineficientes para bancar as evoluções e novidades de software ou a impaciência do usuário por novidades.



Sim, eu também fiquei excitada com todas as novidades da Amazon, como sou fascinada pelas maravilhas que o Jobs criou, mas por hora não necessito de um novo e-reader. Aliás, ainda nem utilizei toda a capacidade dele, posso armazenar algumas centenas de títulos antes de passá-lo adiante ou aposentá-lo. Mas eu me enquadro na segunda categoria das duas mencionadas no início do post. E você?

E para não dizer que vim aqui só falar de espinhos, partilho a dica desse site relacionado ao tema: para quem não sabe muito bem o que fazer com seus obsoletos: Cidadão Eco.



Escrito por Maurem Kayna

Um comentário:

  1. ..::É preocupante o descarte do material eletrônico, eu sendo usuária e amante da tecnologia, por ser também a minha área informática. Me assusta. Mas o que não me serve, ainda em condição de uso. Faço doação::..

    ResponderExcluir