quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Livros Técnicos e eReaders, é possível?

Aumentar Letra Diminuir Letra



É possível ler livros técnicos em leitores digitais? A resposta é um pouco mais complexa do que apenas “sim” ou “não”. Antes temos que responder qual o leitor digital, qual processador, qual tela e principalmente, qual livro.
Ler no Kindle uma obra literária é tão ou mais agradável do que ler o livro impresso. Senhor dos Anéis, Guerra dos Tronos, Transformando Suor em Ouro são alguns exemplos de livros que devorei utilizando o Kindle.
Quando o assunto passa a ser livros técnicos, começamos a enfrentar alguns problemas. Isso se dá não apenas pela velocidade dos leitores (processador) e pela forma (um tanto quanto complexa) de seleção do texto, mas principalmente pelo quesito tamanho da tela. Aqui, infelizmente tamanho faz diferença.
Uma característica dos livros técnicos brasileiros é que a maioria é vendida em formato PDF. Isso se dá pela formatação mais detalhada destes livros, com esquemas, notas de rodapé, imagens, cores entre outros.
Vamos pegar por exemplo dois livros vendidos por uma loja brasileira e que utilizo muito no meu dia-a-dia: Manual de Direito Tributário (PDF) de Eduardo Sabbag e Direito Constitucional Esquematizado (EPUB) de Pedro Lenza. 
Claro que os dois livros não são naturalmente lidos pelo Kindle, existe um longo caminho a percorrermos antes da conversão, mas para efeitos didáticos, vamos testá-los neste aparelho, além claro do iPad através de dois ótimos programas, o iBooks e o GoodReader.
Vamos começar pelo mais simples, a leitura de EPUB. Para isso vamos utilizar o iBooks no iPad e o próprio Kindle, após a devida conversão para o formato MOBI.



Leitura de Livro Técnico no iPad


epub no iBooks (iPad)
epub no iBooks (iPad)


A grande tela de 9" do iPad fornece uma agradável leitura tanto no formato vertical quanto no formato horizontal (duas páginas abertas ao mesmo tempo) do livro. Você pode selecionar o texto em diversas cores, ainda, o iBooks realmente faz um belo trabalho na seleção do texto, parece que realmente utilizamos caneta marca-texto para a seleção, temos um efeito natural e bonito.


epub no iBooks (iPad)
epub no iBooks (iPad)











  As notas do leitor são sinalizadas através de lembretes ao lado do texto. Este lembrete é de fácil visualização e mostra a data de sua criação.
     




Agora vamos ao mesmo livro utilizando o Kindle.


epub no Kindle
epub no Kindle



Aqui vale ressaltar os seguintes pontos: a seleção do texto “princípio da supremacia da Constituição” é representado por um sublinhado, não por uma seleção gráfica, igualmente, a nota do autor é representado por uma pequena nota “1” após a palavra “princípio”.

Na minha opinião pode facilmente passar despercebido pelo leitor em leituras posteriores, tanto a seleção do texto quanto a nota adicionada. Lembrar que a caixa que mostra o conteúdo da nota do autor apenas aparece ao colocarmos o cursor sobre o símbolo “1”.
Ainda sobre o texto, por se tratar de um EPUB convertido para MOBI, ficou de agradável leitura, apesar de já sentirmos um pouco de claustrofobia com a tela menor do Kindle (7"). 
Vale lembrar ainda que este livro contém diversas passagens escritas em outra cor, por escolha do autor. É fácil perceber isso em um dispositivo colorido, naturalmente, alguma coisa vai passar despercebido ao lermos em um dispositivo monocromático, tendo em vista que a variação de tonalidade neste caso ficou baixa. 


Vamos complicar, vamos abrir um livro PDF.


PDF no iBooks (iPad)
PDF no iBooks (iPad)

Aqui o problema pega também para o iBooks. Ele não trabalha muito bem com PDF, não temos mais os recursos de links do índice, também não temos mais a possibilidade de seleção do texto ou inclusão de notas. Podemos apenas fazer uso de zoom e marcar a página para leitura posterior. O iBooks tem muito o que melhorar quando o assunto é PDF.

Entra em cena o fabuloso programa GoodReader (baratíssimo). Ele permite não somente fazer tudo o que fazemos com EPUBs como muito mais. 


PDF no GoodReader (iPad)
PDF no GoodReader (iPad)


PDF no GoodReader (iPad)

Além disso, o GoodReader permite sincronização com o DropBox e outros serviços. As marcações e notas são gravadas diretamente no PDF. Se desejar imprimir, o programa mostra em páginas avulsas todas as notas criadas, excelente para leitura em papel.

Agora vamos ao mesmo livro aberto no Kindle.



PDF no Kindle
PDF no Kindle


Aqui os problemas realmente tornam-se grandes
Primeiro, a tela menor do Kindle não se adapta bem ao formato do livro. A imagem abaixo pode não deixar clara a sensação claustrofóbica de ler este arquivo na tela menor. As letras são muito pequenas, o contraste não fica bom (o que pode ser alterado). 

PDF no Kindle


Obviamente podemos alterar o zoom (não o tamanho da fonte), e ler a tela em pequenas porções, mas ai você terá mais trabalho navegando com os direcionais do que prestando atenção ao livro.

PDF no Kindle



Outro efeito colateral na leitura desta obra foi a seleção de texto. Por algum motivo que não consegui descobrir até o final desta matéria, o Kindle recusava-se a marcar um parágrafo inteiro, apenas pequenos trechos de texto eram marcados por vez. Além disso, a marcação não ficava alinhada com o texto escolhido.  Perceba na primeira seleção, como a marcação não parece condizer com o que deveria estar selecionado.

PDF no Kindle


Finalmente, a última complicação de ler esta obra no Kindle ficou por conta da velocidade, o processador do Kindle não é forte o suficiente para tratar deste tipo de arquivo, assim, selecionar um texto, mudar de página e outras operações tornam-se demoradas. Claro que não podemos comparar o Kindle com o iPad, mas a experiência de ler PDF no Kindle não foi das mais gratificantes.


Conclusão
É claro que não podemos comparar Kindle com iPad. São aparelhos diferentes, para usos diferentes e com preços bem diferentes. O iPad é um pequeno computador, o Kindle é um gigante leitor digital. O iPad possui programas (inclusive o Kindle for iPad) que permitem entre outras coisas... ler livros.
No caso de obras literárias, o Kindle é (quase) perfeito. Sua tela eink fornece horas de leitura sem cansar os olhos, sem consumir bateria, e, ao contrário do iPad e dos vampiros de Crepúsculo, não brilham excessivamente em contato com o sol.
Já para livros técnicos, temos três fortes problemas. Primeiro, estes livros possuem (geralmente) uma formatação específica, definida pelo autor para facilitar a leitura e fixação do assunto. Esta formatação presume que você verá a página inteira, da forma como ela foi pensada. E isso geralmente será possível apenas na tela maior do iPad ou de um computador. 
Segundo, muitos livros técnicos estão em formato PDF, justamente por causa desta formatação específica. Ai até mesmo o iBooks torna-se obsoleto. Entra em cena outros programas como o excelente GoodReader que permite ler, marcar e anotar os livros das mais diversas formas. Temos um ganho do software sobre o hardware.
Finalmente, pegue um livro PDF com uma formatação complexa e você terá um arquivo complexo. Para a leitura nos processadores mais “leves”, como o do Kindle você terá problemas. Ai não tem o que falar, o iPad foi feito para muito mais que leitura, nestes casos seu processador sobra enquanto o do Kindle engasga.
A conclusão a que chego é: leia a sua Guerra dos Tronos no Kindle, mas estude no iPad ou mesmo no seu notebook. Caso contrário você correrá um sério risco de não aprender o assunto e ainda diminuir o seu amor pelo seu leitor digital.
Nota 1: os mesmos testes foram realizados no Nook Simple Touch. Mas por este ter a mesma tela do Kindle, não foi considerado neste texto.
Nota 2: com o lançamento do Kindle Fire de 7”  (colorido), além dos novos Kindle touch, este cenário pode vir a mudar, ao menos no que diz respeito ao processamento dos textos (já se sabe que todos os novos Kindle serão mais rápidos). Já sobre o tamanho da tela, ainda acredito que 9” faz muita diferença em relação a 7”.

Nota 3: Nenhum Kindle, iPad, PDF, epub ou mobi foram maltratados durante estes testes. 
Abraços a todos.
Alex Godoy

19 comentários:

  1. Ajudaria muito se eles atualizacem o software de leitura de pdfs do Kindle colocando um zoon costumizado.

    ResponderExcluir
  2. parabéns alex! não pretendo ler livros técnicos no meu kindle (brinco com as minhas filhas que não quero aprender mais nada), mas que coisa boa foi ler o seu texto. além de muito bem escrito, como é legal ver alguém "perdendo" seu tempo pelo simples prazer de ajudar aos outros. novamente, parabéns.

    []'s

    ResponderExcluir
  3. Excelente comentário! Para livros técnicos de programação o Kindle também fica devendo um pouco, pois as linha de código por vezes são quebradas na tela do Kindle, o que acaba confundindo um pouco o leitor.

    Apenas uma pequena correção, o Kindle 3 tem 7" de tamanho total, porém 6" de tela.

    ResponderExcluir
  4. nelson

    Muito obrigado. É exatamente com este intuito que escrevo, de ajudar sem esperar nada. Mas ao ler comentários como o seu, vejo que o trabalho todo vale a pena.

    Vamos em frente.

    ResponderExcluir
  5. Akira

    Muito obrigado. Verdade sobre as 6". Mas me mantive mais "superficial" na análise, até porque o iPad tem na verdade 9.7" ;)

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Caro Alex, parabéns pelo post. Sou extremamente grato pelo que fez.

    Quanto aos testes, eles foram muito elucidativos. Porém, gostaria de questioná-lo no seguinte ponto: Pelo que vi nos "screenshots" do Kindle, no livro do Sabbag, o tamanho real da foto postada equivale ao tamanho visto no dispositivo? Ao que parece, a imagem hospedada no site remete a ideia de uma tela maior do que a de 6".

    Mais uma vez parabéns.

    Forte abraço,

    Cadu

    ResponderExcluir
  7. Cadu, obrigado.

    As últimas imagens são um pouco maiores (na altura) do que realmente aparentam na tela do Kindle. Mas é coisa de milímetro.

    Assim, dá para ter ideia de como fica na tela do Kindle.

    Não tive como publicar as fotos na exata proporção apresentada pelo Kindle.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Olá Alex, excelente artigo. Estava pensando em adquirir um kindle para ler os inúmeros pdfs que tenho, tanto de livros técnicos como de artigos científico. Reconsiderarei depois de sua ótima análise, obrigado

    ResponderExcluir
  9. Alex,

    Mas quando dizem que ler no Ipad é muito desconfortável para as vistas, tem um certo exagero nessa afirmação?

    ResponderExcluir
  10. Raul

    A tela do iPad tem brilho, assim como a do novo Kindle fire. É evidente que LCD não possui o mesmo conforto que telas de eink, mas também está longe de ser um problema.

    Além disso, basta colocar pouco brilho ou, para os mais radicais, inverter as cores (fazendo um negativo da imagem) que o problema está resolvido.

    Hoje leio por cerca de 8 horas por dia (mesmo) no iPad. Não cansa, posso afirmar.

    Abs.

    ResponderExcluir
  11. Alex,

    Já tinha pensado em comprar alguns livros jurídicos digitais, tais como esse do Lenza. Porém tive dúvidas na possibilidade de conversão e, considerando o preço próximo ao livro de papel, optei por este.

    Existe algum post aqui no blog explicando os procedimentos de conversão? Eu já uso o Calibre, mas os livros da Saraiva vem com DRM.

    ResponderExcluir
  12. Poxa Alex, se você lê por 8h/dia no iPad, deve ser muito chato ter que ficar carregando ele na tomada diariamente. O meu descarrega mais ou menos neste tempo (umas 8 ou 9horas) e depois demora mais de uma hora para recarregar.

    ResponderExcluir
  13. Edson

    Eu carrego o iPad à noite e no dia posterior, quando termino de utilizar ele costuma estar com 5% de bateria ou menos.

    E algumas poucas vezes eu acabo ligando na tomada durante o uso, quando tenho que utilizar muita internet por exemplo.

    Claro que se fosse um notebook não chegaria nem perto desta autonomia.

    Em tempo, eu estudo e faço meu trabalho (direito) todo no iPad, quando finalizo o trabalho passo para o MBP apenas para formatar o documento de acordo com o nosso escritório (rodapé, cabeçalho entre outros).

    Abs.

    ResponderExcluir
  14. alex,
    minha ultima pergunta: no kindle tenho a liberdade total de tirar e colocar arquivos de musica e livros que nao foram comprados na store da amazon e ele reconhece tudo. no ipad tenho a mesma liberdade para os filmes, musicas e livros que ja tenho no meu pc?

    ResponderExcluir
  15. Raul

    Sim. No Kindle você precisa apenas do programa Calibre para converter os arquivos para .mobi, depois é só copiar e colar. Claro, se comprar livros com DRM terás um trabalho a mais, mas nada impossível.

    No iPad você sincroniza o que quiser via iTunes.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Alex, você já tentou ler um livro com muita matemática? O que acontece com as equações com símbolos de integral, derivada, raiz quadrada, etc?
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderExcluir
  17. Onde você consegue esses livros?
    Você comprou mesmo pela Saraiva?
    Achei os preços muito altos rs!
    Parabéns pelo trabalho!^^

    ResponderExcluir
  18. Você faz direito também?Tem alguma indicação de sites para download de epubs juridicos?

    ResponderExcluir
  19. Eu só leio livro técnico (inclusive de direito) e não tenho problemas.
    Basta ler com o kindle deitado... e qualquer PDF funcionará bem.
    Sobre o problema na marcação do texto, foi um "azar" seu. Só ocorreu, entre os mais de 20 pfds "técnicos" que li, uma vez isso. O sublinhado fica correto aqui.
    Agora, de fato, é ruim converter do pdf para o .mobi livro que tenha nota de rodapé, porque fica uma grande bagunça.
    Uma última dica: se o livro tiver 2 páginas em cada imagem, ficará, de fato, ruim para ler. O zoom é ruim de usar. Mas para essa situação e similares (página muito grande), há o pdfscissors, programa que permite dividir uma página de PDF em quantas partes quiser (no caso de livro scaneado, com 2 páginas na mesma imagem, pode-se dividir, por exemplo, a parte direita em relação à esquerda). Ele é muito bom.

    Minha experiência é essa: só leio livro de filosofia e de direito, não tive problema com nenhum. Prefiro ler no kindle do que no livro mesmo (faço os comentários pelo teclado do kindle 3). Com um scanner de mão, digitalizo obras que não possuo (há poucas à venda), transformo-as em .pdf, e voalá: leio qualquer uma!

    ResponderExcluir