quarta-feira, 29 de junho de 2011

Mais um gráfico super informativo

Aumentar Letra Diminuir Letra

Aqui vai a tradução de mais um infográfico sobre os benefícios ambientais dos aparelhos eletrônicos que facilitam a leitura e eliminam e necessidade de exemplares impressos. O infográfico em questão foi sugerido pelo leitor Soneca, a quem agradeço pela dica.


As informações dizem respeito à realidade e aos números dos Estados Unidos, já que o gráfico foi elaborado por lá. Clique na imagem para poder ampliá-la e ler o texto original, além de consultar as fontes de pesquisa que se encontram no rodapé do gráfico.


Livros eletrônicos: a opção mais ecológica
Hoje em dia temos um sem fim de opções quando o assunto é leitores eletrônicos: Kindle, Nook, Sony Reader, Kobo, Pandigital, iPad...

Os leitores eletrônicos são bonitos, levinhos e ecológicos. Este infográfico vai analisar os livros e leitores eletrônicos e como o ambiente tem muito a ganhar com este aumento global da leitura sem papel.

A quantas anda a indústria editorial?
• Nos EUA, a indústria editorial consome 16 milhões de toneladas de papel por ano
• Os 2 bilhões de livros impressos por ano nos EUA resultam em 32 milhões de árvores tombadas
• Os livros impressos possuem a maior pegada de carbono por unidade no setor editorial como um todo, com uma média de 4 kg por livro padrão

Resíduos e CO2
• As fábricas de papel usadas para criar o papel usado nos livros prejudicam o meio ambiente e produzem o seguinte:
‣ dióxido de carbono (CO2)
‣ óxido de nitrogênio (SO)
‣ monóxido de carbono (CO)
• As partículas desses componentes chegam à atmosfera e contribuem para o aquecimento global e a formação de neblina/fumaça (“smog”) e chuva ácida, além de causar problemas respiratórios
• O processo de embranquecer o papel usando cloro produz dioxina, que causa câncer
• Os livros impressos consomem 3x mais matéria-prima e requerem 7x mais água durante a produção do que os livros sem papel
• Nos EUA, a indústria dos jornais e livros corta 125 milhões de árvores por ano e emite 44 milhões de toneladas de CO2
• Isso equivale ao total de CO2 emitido por 7,3 milhões de carros em um ano

Livros eletrônicos
• O número de livros eletrônicos vendidos continua crescendo
• Em outubro de 2010 as vendas de livros eletrônicos correspondiam a 9% do comércio de livros, o que representa um aumento de 112% em relação ao ano anterior
• Para cada 100 livros comuns vendidos, 180 livros eletrônicos são vendidos atualmente
• Conforme as previsões para 2011, acredita-se que a venda de livros eletrônicos arrecadará US$ 1 bilhão, o que corresponderia a 20% do comércio de livros

Situação atual
• O total de livros eletrônicos vendidos somente pelos sites Amazon e iTunes em 2010 chegou a 79.200.000 exemplares
• Já que esses foram exemplares eletrônicos, em vez de impressos, podemos presumir que para cada livro eletrônico vendido, um livro impresso a menos foi produzido e vendido
• Assim sendo, considerando os números acima, a vida de 1.267.200 árvores teria sido poupada em 2010
• Essas árvores teriam a capacidade de absorver 30.412 toneladas de CO2 durante um ano, o que equivale à quantidade de CO2 emitido por aproximadamente 5.000 carros
• Além disso, essas árvores teriam emitindo oxigênio suficiente para sustentar a vida de 2.534.400 seres humanos
• Resumindo:
‣ 1 árvore produz 62,5 livros impressos
‣ 1 carro padrão emite 6 toneladas de CO2 por ano
‣ 1 árvore absorve quase 22 kg de CO2 por ano

Como os livros eletrônicos ajudam o meio ambiente?
• Salvam árvores
• Economizam a energia consumida na produção de livros impressos
• Diminuem o consumo de papel
• Eliminam o material usado em embalagens e pacotes e toda a energia e os custos associados a esses materiais
• Diminuem a energia, o custo e a poluição resultantes da eliminação ou reciclagem de livros impressos
• Eliminam a poluição causada pela fabricação e remessa de livros
• Economizam o combustível usado para transportar os livros de papel do fabricante para o armazém e, finalmente, para o consumidor
• Evitam as principais formas de poluição causadas pelas fábricas de papel e polpa
• Economizam dinheiro:
‣ se 2 bilhões de livros impressos vendidos nos EUA fossem transformados e vendidos como livros eletrônicos, as economias chegariam a US$ 5 por livro
‣ US$ 10 milhões seriam economizados e milhões de árvores seriam poupadas

A pegada de carbono dos livros eletrônicos:
• Os livros eletrônicos são a opção mais ambiental para quem lê mais de 23 livros por ano, um objetivo que a maioria dos leitores mais ávidos consegue alcançar sem problema
• Em média, o CO2 emitido durante o ciclo de vida de um leitor eletrônico padrão consegue ser completamente compensada
• Como podemos prever essa compensação?
‣ usar um leitor eletrônico padrão durante um ano economiza 6.500 mj (megajoules) e evita a emissão de 690 kg de CO2
• Os leitores eletrônicos comprados durante 2009 e 2012 evitarão a emissão de cerca de 10 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera durante esse período, o que equivale ao CO2 emitido por 800 mil carros
• Se você ler a versão em papel do New York Times todos os dias durante um ano, você estará usando 7.300 mj de energia e emitindo 700 kg de CO2 na atmosfera
• Se você ler a versão eletrônica do New York Times em um leitor eletrônico padrão, usará 100 mj de energia e emitirá apenas 10 kg de CO2 por ano

O futuro do livro eletrônico
E se, daqui em diante, cada exemplar de um livro fosse comprado em sua versão digital? Como isso transformaria o meio ambiente?

• Aproximadamente 3,1 milhões de livros são vendidos por ano nos EUA
• Vamos imaginar que todos os leitores norte-americanos começaram a ler livros digitais
‣ 49.600.000 de árvores seriam salvas a cada ano
‣ 1.190.400 toneladas de CO2 seriam absorvidas por essas árvores por ano
‣ o CO2 emitido por 192.926 carros seria absorvido por ano

7 comentários:

  1. Olá Rafa, como além de ser pretensa escritora também sou engenheira florestal, preciso comentar essa estatística relativa às árvores. As fábricas de papel plantam árvores para produzir o papel nosso de cada dia... e replantam depois da colheita. Nesse processo de crescimento "contínuo" de árvores, há sequestro de carbono, que compensa com folga as emissões. Por outro lado, toda a tecnologia (da qual sou obviamente fã) consome energia, tanto na sua produção como no seu uso e recursos minerais expressivos para sua fabricação, sem contar com o problema da destinação dos resíduos dessa tecnologia, tendo em vista a dificuldade da reciclagem e a rápida obsolescência. Tudo isso só pra dizer que,embora defenda e queira ver a disseminação desses recursos, a questão ambiental, não é o mais poderoso argumento em favor de e-books. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Olá Rafa, como além de ser pretensa escritora também sou engenheira florestal, preciso comentar essa estatística relativa às árvores. As fábricas de papel plantam árvores para produzir o papel nosso de cada dia... e replantam depois da colheita. Nesse processo de crescimento "contínuo" de árvores, há sequestro de carbono, que compensa com folga as emissões. Por outro lado, toda a tecnologia (da qual sou obviamente fã) consome energia, tanto na sua produção como no seu uso e recursos minerais expressivos para sua fabricação, sem contar com o problema da destinação dos resíduos dessa tecnologia, tendo em vista a dificuldade da reciclagem e a rápida obsolescência. Tudo isso só pra dizer que,embora defenda e queira ver a disseminação desses recursos, a questão ambiental, não é o mais poderoso argumento em favor de e-books. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi Maurem,

    Obrigada por mencionar o outro lado da história, principalmente sobre a prática da fábrica de papel. Tenho lido bastante comentários em outros sites e blogs sobre a fabricação dos aparelhos de leitura de livros em si, que obviamente consome bastante matéria-prima e diversos recursos. Bem que gostaria de encontrar um infográfico sobre isso... :-D

    ResponderExcluir
  4. Argumentação bastante tendenciosa, viu? :D
    As baterias de lítio destes gadgets tem uma pegada ambiental bem pesadinha também. Fazer o plástico e os outros componentes, idem. Além disso, papel pode (e é) ser reciclado.
    O que, obviamente, não diminui em nada os pontos favoráveis ao ebook (vários livros juntos, pesa menos, facilidade de busca, acessibilidade, etc).
    []s

    ResponderExcluir
  5. Pois é, Carolina. O negócio é alguém criar infográficos sobre os impactos ambientais dos leitores eletrônicos, porque para abordar esse assunto ninguém encomenda pesquisa! ahahahaah

    Se alguém achar um, me avisa que seria legal colocar aqui.

    ResponderExcluir
  6. Of course greenhouse gas emissions are not the only environmental impacts of producing E-readers or printed books. Printed books require wood fiber which needs to be harvested from forests (or plantations that replaced natural forests) while e-readers require plastic (derived from oil) metal and glass as well as other mineral resources to make up the various electronic components and battery. Norris and Goleman mention that some materials that are in E-readers, such as columbite and tantalite, are often mined in wartorn regions of Africa and sourcing these minerals can have negative social impacts. In its environmental report, Apple makes a point of stating that the iPad has a mercury free LED display, that the glass is free of arsenic and that the iPad is free from Brominated Flame Retardants (BFRs) and Polyvinyl chloride (PVC)9. Norris and Goleman conclude that “With respect to fossil fuels, water use and mineral consumption, the impact of one e-reader payback equals roughly 40 to 50 books”10. In terms of health Impacts Norriss and Goleman conclude that in terms of impacts on human health, 1 E-book has 70 times impact of 1 printed book, with the primary impact being particulate matter from energy use and production.
    Fonte: http://www.greenpressinitiative.org/documents/e_book%20summary.pdf

    infográfico: http://www.good.is/post/infographic-are-books-or-e-readers-more-environmentally-friendly

    vídeo: http://abcnews.go.com/GMA/video/thing-green-books-12353045?&clipId=12353045&cid=embedded

    +:
    http://ecolibris.blogspot.com/2010/06/how-green-is-your-ipad-analysis-of.html
    http://www.pbs.org/mediashift/2010/03/is-digital-media-worse-for-the-environment-than-print090.html

    ... mas o ponto principal não é esse e sim a quebra da centralização de publicação e a acessibilidade a pessoas com deficiências visuais (papel não tem zoom), etc.

    Abração,
    Carol

    ResponderExcluir