domingo, 1 de maio de 2011

#Precojustoja - o Kindle Blog Brasil apóia

Aumentar Letra Diminuir Letra

Apesar de longo e de usar um linguajar "jovem" cheio de palavras, para alguns, ofensivas, vale a pena assistir até o final e se engajar no projeto. 
Façamos nossa parte...
Visite e indique : www.precojustoja.com.br


9 comentários:

  1. Bom, eu mesmo não compro nunca mais nada nesse país miserável!!! Infelizmente tive que radicalizar... 30% do meu salário já é comido pelo governo, além disso pago plano de saúde, paguei faculdade, meus pais sempre me pagaram curso de inglês e colégio particular, sou obrigado a viajar de avião pois as estradas são sucateadas, e sair... hahaha, só pra shopping que é um pouco mais seguro, no resto a criminalidade comanda!
    Nada volta pra mim, pago imposto pra caramba e nunca tenho retorno! Já que não posso sonegar pois meu salário é tributado na fonte, pelo menos me recuso a comprar qualquer coisa aqui no Brasil!
    Viajei agora e troquei meu guarda-roupa, meus gadgets (notebook, celular, máquina fotográfica, etc), putz, comprei uma penca de camiseta da nike de menos de 10 dólares... teve um monte de coisa que comprei que custou 4 vezes menos lá fora! Se eu fosse rico comprava tudo aqui nesse país, mas como sou "pobre" tenho que ir ao exterior fazer compras!
    Desculpem o desabafo!!!

    ResponderExcluir
  2. "...mas como sou "pobre" tenho que ir ao exterior fazer compras!"

    Pobre? Como assim Onurb? :)

    _________________________________________

    Engraçado que vi essa "campanha" na sexta antes da publicação aqui no blog.

    Bem, refleti um pouco sobre tudo o que o Felipe Neto(o rapaz do video)falou.

    No início, é fácil você que já foi taxado pelo Imposto de Importação balançar a cabeça afirmativamente e gritar "PREÇO JUSTO, PORRA!".

    Por exemplo, hoje eu recebi do FEDEX uma luminária para leitura que custou a preço de venda R$31,27, porém preciso adicionar mais R$30,00(II+ICMS). Paguei duas lanterninhas. :(

    Poxa,Emanuel, então você assinou e vai se engajar o projeto?

    Não, pelo simples, fato de que o caminho é mais complexo, há muitos fatores envolvidos do que simplesmente reduzir o custo para saciar os nossos desejos consumistas.

    Precisamos lembrar que os impostos tem função fiscal e extra-fiscal(ver em http://tinyurl.com/3gqpc53).

    No caso da alíquota de importação, ela é notoriamente extra-fiscal, pois o objetivo primordial não é arrecadar e sim regular algo na economia.

    Dessa forma liberar o II, apesar de simples, bastando decreto do Executivo, é improvável, pois não se trata de um redução a arrecadação da União, mas sim uma alteração no complexo sistema econômico do país.

    Precisamos de outras saídas, como pressionar por uma REFORMA TRIBUTÁRIA descente que desafogue a indústria brasileira a produzir a um custo menor, para comprarmos Blue Ray a R$30,00.

    Ou, pressionar para que produtos realmente essenciais tenham isenção fiscal como livros, e-livros e correlatos.

    Eu adoro video games e tecnologia, mas convenhamos, um PS3 e um iPad são equipamentos supérfluos.

    Até minha luminariazinha não é essencial. Então tome-le II.

    ResponderExcluir
  3. Caro Emanuel, o "pobre" está em aspas justamente pq graças a Deus e ao meu puta esforço não sou... Ralo pra caramba pra poder ter minhas coisas e uma vida boa. Tive muita sorte de nascer numa família que teve condições de me dar uma excelente educaçao, então estudei, me formei e hj consigo viver razoavelmente bem. Estou muito, mas muito longe de ser rico, mas tenho condições de ter boas roupas, bons tênis, um celular bacana, e um macbook pro!
    Mas sinceramente, só tenho um computador bala pq paguei menos de 1.900 reais nele... Aqui no brasil sairia por 4.000! Meus tenis asics de última geração sairam, os dois que comprei, por cerca de 300 reais. Ou seja em duas unidades paguei pouco mais da metade do preço de apenas um aqui no Brasil, já que um quase igual custa mais de 500 reais aqui!!! Como isso é capaz? Uma unidade custa 120 dólares, se vc comprar outro tênis o segundo sai pela metade do preço, ou seja 60 doletas... Então somando dá um total de 180 dólares, que multiplicado pelos taxas de lá e o dólar do meu cartão... Kkkk pouquino mais de 316 reais! Camisetas da nike que paguei 6 dólares, 10 dólares, custam mais de 60 reais por aqui!!! E assim vai...
    No final das contas, vou ficar 2 anos sem comprar nada por aqui e pago a passagem e compro tudo lá nos EUA BEM mais barato.
    Podem me criticar a vontade, falar que assim o país não vai pra frente, bla, bla bla... Que os impostos servem pra proteger o produto nacional, etc... Mas meu suado dinheiro não é capim, eu ralo pra caramba e tenho direito de ter alguns luxos.
    Sabe o que é mais engraçado, esse papo de proteger o produto nacional é a maior conversa pra boi dormir, um exemplo bom é o do positivo alpha... Fazem o kinfle chegar aqui por cerca de 500 reais já com impostos... Daí pegam um produto supostamente tupiniquim e colocam pra vender por 800 pratas! Kkkk... Só compra quem tem medo de comprar um kindle pela amazon, ou quem não sabe mexer em computador, fazer compras online, etc.
    Pronto, já falei demais.

    ResponderExcluir
  4. Onurb,

    Aqui, você não fala demais. :)

    Eu entendo você.

    O preço do Alfa, dos tênis, das roupas são resultantes de uma política tributária remendada.

    E é nesse ponto que precisamos exigir mudança.

    E acima de tudo, manter vigilância no correto uso dos tributos. A grande falha do país.

    Abraço,

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto falando sobre o assunto
    http://papodehomem.com.br/preco-justo-nao-faz-sentido/

    ResponderExcluir
  6. Eu jamais informaria meu nome e CPF em site que não conheço!

    ResponderExcluir
  7. Antonio, basta você passar na praça da Sé e comprar um daqueles CDs com dados que eles vendem por "déiz real" que seu nome e CPF vai estar lá com certeza.... Muito medo inútil....

    ResponderExcluir
  8. Realmente, "Anônimo", muito medo inútil!

    ResponderExcluir
  9. vamo nessa felipe neto preço justo ne porra

    ResponderExcluir