segunda-feira, 30 de maio de 2011

Livros eletrônicos tornam possível tradução literária independente

Aumentar Letra Diminuir Letra


Meu nome é Rafa Lombardino e, além de ser uma das mais novas colaboradoras do Kindle Blog Brasil (com muito orgulho), sou também tradutora e diretora da agência de tradução Word Awareness, que abri na Califórnia. Comecei cedo na profissão, aos 17 anos, e meu grande sonho era traduzir livros e participar do processo editorial e literário cujo principal objetivo é levar grandes histórias internacionais para o público brasileiro.

É, quase 15 anos mais tarde, a maioria do meu trabalho tem sido bastante técnico, incluindo traduções voltadas para a comunicação corporativa e jurídica ou sobre as indústrias química, alimentícia e de produtos de saúde e beleza. Porém, nunca coloquei de lado a vontade de deixar a criatividade de escritores estrangeiros passar pelos meus dedos e se transformar em palavras em português.

Em dezembro de 2010 recebi um Kindle de presente do meu marido. A princípio, precisava ler uns livros sobre Marketing Online para bolar uma palestra para tradutores independentes poderem divulgar seus serviços na internet para chamar a atenção de possíveis clientes. Não queria pagar mais de US$ 25 por exemplar e levar aqueles dois tijolos no avião para ler durante as férias... Depois do dever cumprido, percebi que "me deu um branco" e não conseguia me lembrar de nenhum título da longa lista de clássicos que eu queria ler há muito tempo. Por onde começar? Que livro eu poderia comprar para ler no meu Kindle?

Estava dando uma fuçada no Amazon quando, coincidentemente, ouvi uma história interessante no podcast de tecnologia que o meu marido estava ouvindo. Os apresentadores estavam falando sobre Amanda Hocking, uma jovem de vinte e poucos anos que estava bombando na área de literatura independente juvenil por causa de seus livros eletrônicos, cujos preços são bastante acessíveis. Ela se especializou em ficções supernaturais interessantes e conquistou rapidamente o público jovem. Na hora, eu decidi dar uma olhada para saber mais a respeito e dei de cara com a versão Kindle do livro Hollowland, que narra a história de uma jovem em busca do seu irmão mais novo em meio ao mundo pós-apocalíptico tomado por zumbis.

Eu me apaixonei pela história e me toquei que um livro não precisa estar na lista dos mais vendidos de publicações importantes (como o New York Times, por exemplo) para valer muito a pena. Confesso que há tempos não lia um livro pelo puro prazer de ler, algo que sempre fiz desde criança. Já leio uma pilha de documentos todos os dias e, no tempo livre, eu ultimamente estava mesmo preferindo fazer alguma outra coisa para espairecer. Ossos do ofício...

Foi assim que, no início de 2011, comecei a dar os primeiros passos para dar uma guinada na minha carreira e finalmente trabalhar com um tipo de material que há muito tempo despertou meu interesse pela tradução: a literatura. Com os avanços em livros eletrônicos e a atividade intensa e bem-sucedida de escritores publicados independentemente, celebrei alguns contratos para a tradução de livros a fim de dedicar cada vez mais tempo à tradução literária.

O primeiro livro traduzido já foi publicado e se chama Um zumbi na noite. Ele foi escrito por Tom Lichtenberg, que já conta com mais de 30 títulos eletrônicos na sua obra, e combinamos de disponibilizar o seu catálogo completo em português ao longo dos próximos anos. No momento estou prestes a terminar a tradução de “O mistério da Mansão Valência”, da escritora Sharon Hays. Mais 70 páginas e o livro estará disponível para os leitores brasileiros que gostam de uma bela história de casas mal assombradas.

É claro que me faz um bem enorme começar a realizar um sonho de criança e me dedicar à tradução literária, mas faz muito bem também saber que estou fazendo a minha parte e usando os avanços tecnológicos a favor de uma ótima causa: difundir histórias interessantes para um público cada vez maior, que pelos meios tradicionais dificilmente teria acesso ao trabalho de gente tão criativa como o pessoal que faz parte da nova leva de escritores independentes e que contam com o Kindle como sua principal ferramenta de expressão.

11 comentários:

  1. Muito bem-vinda! E Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. esses livros que traduzir serão disponibilizados na amazon?

    ResponderExcluir
  3. Muito legal a sua história? Como alguém entra no mercado de tradutor? Fiquei curiosa. Estava conversando com meu marido outro dia e estávamos pensando nesta possibilidade.

    Lin

    ResponderExcluir
  4. Oi Marcelo!

    O primeiro livro "Um zumbi na noite" já foi publicado e está disponível para Kindle e na versão impressa (frete vindo dos EUA...). Percebi que o link não estava funcionando no texto e já arrumei, mas aqui vai: http://amzn.to/zumbikdl

    Se você chegar a ler o livro, avisa se gostou, porque mantenho contato com o autor e ele adoraria saber o que os leitores brasileiros acham da história.

    Abraços,
    Rafa

    ResponderExcluir
  5. Oi Lin!

    Obrigada pelo comentário. Entrar no mercado de tradução é difícil. É preciso muito estudo e a reciclagem é constante, mas eu sou completamente apaixonada por essa profissão.

    O principal é ter uma base bastante sólida e ser bilíngue, sabendo antes de mais nada se expressar corretamente no idioma para o qual você vai traduzir. Armada de conhecimentos, aí o negócio é ralar muito para estabelecer contato com possíveis clientes até pintar um projeto que se enquadre nas suas áreas de especialização.

    Por exemplo, se você se formou em Engenharia, pode traduzir material na área porque você já tem o vocabulário e o entendimento necessário para aquele ramo. No começo, também é legal doar seu tempo como tradutora, talvez encontrando uma causa ou uma ONG que você goste e oferecendo seus serviços de graça para poder enriquecer seu currículo.

    Bom, cada trajetória é diferente, mas em linhas gerais seria bem por aí. Se precisar de alguma dica, é só dar um toque!

    Abraços,
    Rafa

    ResponderExcluir
  6. Rafa,

    Seja bem vinda a equipe, acho que precisávamos de um toque feminino no meio desses "cuecas". :)

    Parabéns por suas conquistas. Fazer o que gosta é uma oportunidade única.

    Sou um apaixonado pelas línguas, principalmente português e inglês. E traduzir é uma atividade fascinante. Tentei me aventurar por esse caminho produzindo o texto que saiu aqui no blog (http://kindle.blog.br/2011/05/um-passeio-na-livraria.html) Mas o retorno não foi muito bom.

    Então, acho que essa missão vai ficar para você.

    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  7. Oi Emanuel,

    Obrigada pelo comentário! Farei o possível para trazer o toque feminino para o blog ;-)

    Se encontrar alguma matéria legal sobre Kindle e livros eletrônicos em inglês, espanhol ou italiano é só avisar que posso colocar a tradução em português aqui para os leitores brasileiros continuarem bem informados.

    Abraços,
    Rafa

    ResponderExcluir
  8. Emanuel, não é bem assim, vc que escolheu um texto ruim, aliás, bem ruim. hehehehe.
    Rafa vc parece estar desenvolvendo um trabalho bem legal.

    ResponderExcluir
  9. Oi Raul,

    Valeu pela força. Se tiver alguma sugestão, é só dizer.

    Até mais,
    Rafa

    ResponderExcluir
  10. Olá, estou começando um livro que futuramente penso em publicar no kindle. Será que seus serviços estariam disponíveis para traduzi-lo para o inglês? rafael.dealcantara@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi xará!

    Pretendo sim traduzir alguns livros em inglês. Estou no segundo título e tenho outros dois confirmados na fila, mas por enquanto são todos de inglês para português.

    Profissionalmente, trabalho com projetos técnicos de português para inglês, mas gostaria de me dedicar à área literária nessa combinação de idiomas também.

    Boa sorte com o livro e avise quando estiver pronto, pois gostaria muito de ler e, quem sabe, traduzi-lo também!

    Abraços,
    Rafa

    ResponderExcluir