sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O e-reader Digle

Aumentar Letra Diminuir Letra



Vimos pouquíssimos e-readers sendo vendidos no Brasil, por isso sempre vale a pena falar dos novos lançamentos – mesmo que eles sejam uma furada. É o caso do Digle Book, que tem bela aparência e é bastante leve. Mas, em quase todos os outros quesitos, ele deixa a desejar.

O aparelho lê PDFs, ePUBs, TXT, DOCs e outros formatos, mas engasga na execução de tarefas tão básicas quanto abrir um livro. Prepare-se para ter um chá-de-cadeira e esperar até 13 segundos para abrir um ePUB. Na hora de virar as páginas, ele também exige paciência. São cinco segundos só para isso, embora ele seja inconstante e às vezes demore por volta de três segundos. A espera também é grande para dar zoom e mover uma página da horizontal para a vertical (por meio de um botão físico).

A navegação pelos menus não é difícil. Para isso, o Digle Book conta com um botão direcional no centro e um menu sucinto com opções de ver livros lidos recentemente, músicas, fotos e configurações. Só que, ao abrir a biblioteca, por exemplo, não conseguimos achar um jeito de fazer buscas pelo nome do livro, um recurso essencial quando eles estiverem em grande número.


Foi preciso procurar os livros manualmente na biblioteca, movendo o direcional para navegar na lista. Por isso, o teclado físico, que até é bem localizado na lateral do aparelho, não é totalmente aproveitado nas buscas. Ele serve, no entanto, para pular direto para determinada página dentro de um livro. Há o recurso de marcar páginas dentro de livros, embora não dê para fazer anotações.

Quanto à conectividade, o Digle Book tem habilidade para ler microSDs de até 8 GB, tem entrada miniUSB e dispensa Wi-Fi. A tela tem 6 polegadas e usa tecnologia e-ink. Já a memória interna é de 2 GB.

Para falar um ponto positivo, dá para dizer que o Digle Book vem com uma capinha até que bem charmosa. Pena que ele se prenda a ela com ímãs, colados na parte de trás do aparelho. Um movimento um pouco mais agressivo pode fazê-lo cair. E, por não ter tantas funções, esperamos que ele até resista bastante a um teste de bateria.

Por último, um ponto digno de nota é o manual. O encarte é engraçadíssimo, contendo conselhos um tanto inusitados como “Favor utilizar a ferramenta ‘Desfragmentador de disco’ regularmente”, “Evitar conectar o dispositivo em PC com vírus”, “Não conectar o cabo USB no PC por muito tempo a fim de evitar o aquecimento” e até uma frase indecifrável: “O produto é precisamente eletrônico” (O que mais ele seria? Orgânico?).

Por tudo isso, o preço de 899,90 reais parece salgado. Ele estará à venda no site www.timevision.com.br

Um comentário:

  1. Cada vez mais eu vejo que minha opção imediata pelo Kindle não foi precipitada. Estou feliz que em pinto no lixo....só faltam mais títulos em português...e as livrarias de ebooks cairem na real, não é?

    ResponderExcluir