quinta-feira, 30 de setembro de 2010

E-books podem estimular mais crianças a ler, aponta estudo

Aumentar Letra Diminuir Letra


O tempo que as crianças passam lendo livros por diversão diminui conforme elas utilizam celulares e outros aparelhos de tecnologia móvel, mas os e-books (livros digitais) podem trazê-las de volta à literatura, de acordo com um estudo divulgado nesta quarta-feira.
O estudo, conduzido pelo grupo de mídia e educação Scholastic e pela empresa de consultoria em pesquisa e marketing Harrison Group, também concluiu que os pais estão preocupados que o maior acesso à tecnologia pode limitar o tempo de leitura ou com a família.
Divulgação
Kindle 3, a nova versão do leitor de e-books da Amazon
Kindle 3, a nova versão do leitor de livros eletrônicos (e-books) da Amazon
Cerca de 40% dos pais acreditam que o tempo que as crianças permanecem online ou utilizando dispositivos móveis reduziria o período gasto com livros ou atividades físicas. Trinta e três por cento mostraram receio de que a tecnologia leve as crianças a passar menos tempo com a família.
Porém, o estudo também descobriu que a tecnologia pode na verdade estimular uma criança a ler. Das crianças pesquisadas, 57% disseram que ficariam interessadas em ler no e-book.
Cerca de um terço das crianças disseram que leriam mais livros por prazer caso os e-books estivessem a seu alcance. Mas 66% afirmaram que continuariam a ler livros impressos mesmo com uma maior disponibilidade do e-book.
Francie Alexander, vice-presidente acadêmica da Scholastic, afirmou em comunicado que os resultados do estudo mostram que os e-books podem ter um importante papel educacional.
"Se pudermos pegar um terço de todas as crianças, muitas delas leitoras forçadas, para que gastem mais tempo lendo por prazer nos e-books, esse tempo adicional gasto construindo fluência e vocabulário não só as ajudaria a se tornarem mais proficientes na leitura, mas também as auxiliaria a acompanhar textos mais complexos que elas encontrarão no ensino médio e na universidade", disse ela.

DA REUTERS, EM NOVA YORK 
Fonte: Folha.com

4 comentários:

  1. Falando sobre e-readers e e-books em geral, vejam também: http://www.muyinteresante.es/especial-ebook-libros-digitales

    Há artigos sobre novos lançamentos Sony e Samsung, além de um bem interessante sobre um "leitor flexível".

    Enjoy!

    ResponderExcluir
  2. Acredito que os fabricantes brasileiros estão de olho no uso dos e-readers em instituições de ensino, a Positivo é bem gritante a estratégia para o Alfa, assim como a pernambucana Mix-Tecnologia com seu Mix Leitor D (mas informações em um futuro post).
    Abraço,

    ResponderExcluir
  3. Pessoalmente eu acho que as crianças começam a ler para seguir o exemplo de alguém ao seu redor que leia. A família por exemplo. Não acredito que faça diferença um leitor portátil, ainda mais se ele tiver outras utilidades mais “cool” (como o Ipad). Um leitor de Eink então, que só faz uma coisa, e em preto-e-branco (palavrão para alguns)...

    ResponderExcluir
  4. Acabo de recebr o meu kindle e estou completamente desorientada sobre como proceder. Amanhã iniciarei meus downloads e como nunca tive um e-reader estou viajando.

    ResponderExcluir